Reprodução/Instagram
Reprodução/Instagram

Ricardo Goulart troca de clube na China e vai defender o Hebei Fortune

Brasileiro de 29 anos deixa o Guangzhou Evergrande e assina com a nova equipe até dezembro deste ano

Redação, Estadão Conteúdo

19 de julho de 2020 | 14h02

O atacante Ricardo Goulart trocou de clube na China e vai defender o Hebei Fortune na próxima temporada do futebol chinês, que está perto de ser iniciada. O jogador brasileiro foi emprestado pelo Guangzhou Evergrande à sua nova equipe até dezembro deste ano.

Ricardo Goulart foi anunciado neste domingo pelo Hebei Fortune, antiga equipe de Hernanes, hoje no São Paulo, e que além do atacante brasileiro anunciou outros quatro reforços. Lá, Goulart virou Gao Late, seu novo nome chinês. O atacante Markão é o outro brasileiro do elenco.

O brasileiro já se naturalizou chinês, mas ainda não teve sua nova nacionalidade reconhecida pela Fifa e, assim, ocupa vaga de estrangeiro no Guangzhou Evergrande, que resolveu emprestador o jogador já que todos os postos de atletas estrangeiros estão ocupados.

A Fifa exige que um atleta atue por ao menos cinco anos no futebol chinês para ter seu processo de naturalização reconhecido. Goulart completará esse período em setembro deste ano e disse recentemente ao Estadão que sonha em defender a seleção chinesa em uma Copa do Mundo.

O atacante de 29 anos passou quatro meses emprestado ao Palmeiras, de janeiro a abril de 2019, quando rescindiu seu vínculo com o clube paulista - pelo qual atuou em apenas 12 jogos e marcou quatro gols - e retornou ao Guangzhou Evergrande, com o qual já conquistou oito títulos.

Goulart estava machucado quando retornou à China e ainda não atuou no país asiático desde que voltou. Recuperado de lesão, o atacante poderá voltar aos gramados quando a nova temporada do Campeonato Chinês for iniciada no final deste mês, encerrando um período de mais de um ano já sem atuar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.