Ivan Alvarado/Reuters
Ivan Alvarado/Reuters

Ricardo Oliveira minimiza titularidade e se diz pronto para jogar

Dunga faz treino fechado e não revela a escalação contra o Chile

ALMIR LEITE, O Estado de S. Paulo, enviado especial a Santiago

06 de outubro de 2015 | 18h41

Artilheiro do Campeonato Brasileiro com 17 gols, Ricardo Oliveira, jogador com forte presença de área, é uma boa opção para o jogo desta quinta-feira contra o Chile, na estreia da seleção nas Eliminatórias. No entanto, suas chances de começar a partida são reduzidas, a considerar os critérios do técnico Dunga. Além de o santista ter sido incluído no grupo depois da convocação inicial, Hulk agradou nos amistosos de setembro contra Costa Rica e Estados Unidos - fez gol em ambos - e tem a preferência do treinador no momento.

Isso, porém, não incomoda Ricardo Oliveira. O que importa, garante, é que está preparado para o caso de precisar entrar na equipe. "Dunga conhece meu potencial. Já estive na seleção com ele. É a questão de estar preparado. O que dá oportunidade é isso", disse nesta terça-feira, antes do treino realizado no estádio da Universidad Católica, em Santiago.

Para Ricardo Oliveira, um aspecto importante no grupo montado por Dunga para as Eliminatórias é a mentalidade. "Pelo que tenho visto, Dunga tem procurado trazer gente com mentalidade de campeão. Venho por essa mentalidade vencedora, de sempre dar o melhor, que você consegue competir de alto nível independentemente onde você estiver jogando."

O artilheiro fez elogios ao Chile, mas garantiu que os brasileiros sabem onde estão as deficiências dos adversários e como explorá-las. "O Chile tem um trabalho coletivo muito forte. Dentro desse trabalho é normal que apareçam as individualidades. Quem não tem a bola, tem que marcar. O Chile não dá muito campo. Mas também há fraquezas, vamos nos preparar bem e procurar anular as individualidades", afirmou.

Claro que o conhecimento do adversário não tornará a partida mais fácil, alerta Ricardo Oliveira. "Será uma partida complicada para ambos. Vamos jogar fora de casa contra essa geração (chilena) que fez história. Sabemos que isso pesa, assim como a torcida deles, a motivação... Mas o mais importante é que também têm campeões desse lado."

TREINO

A seleção brasileira fez um treinamento fechado nesta terça-feira em Santiago. O técnico Dunga só permitiu o acesso da imprensa na parte final da atividade, realizada no estádio da Universidad Católica. Assim não foi possível observar nada além de alguns jogadores fazendo finalizações, enquanto que a maioria do grupo fazia alongamento.

Dunga não deu pistas da equipe que enfrentará o Chile, nesta quinta-feira, no estádio Nacional, na estreia pelas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2018, que será realizada na Rússia. A tendência é que o time titular serja o seguinte: Jefferson; Daniel Alves, Miranda, David Luiz e Filipe Luis; Luiz Gustavo, Fernandinho, Willian e Oscar; Douglas Costa e Hulk.

Ao fim da atividade, enquanto o goleiro Jefferson dava autógrafos a cerca de 30 crianças da escolinha da Universidad Católica que tiveram acesso às arquibancadas, Dunga e o restante da comissão técnica receberam uma delegação da Cruz Vermelha e vítimas.

No jogo contra o Chile, a seleção vai fazer uma ação beneficente, doando as camisas dos jogadores para serem leiloadas, com renda para as vítimas do terremoto ocorrido no país em setembro. O Brasil jogará com uma camisa diferente - terá o escudo da CBF e o da Federação Chilena.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.