Ricardo Oliveira sob pressão

Depois de ter marcado três gols nos dois primeiros jogos do Santos na Copa Libertadores, ninguém duvidava que Ricardo Oliveira iria superar a marca de Pelé, com oito gols, em 1965, até com facilidade, tornando-se o maior artilheiro do clube em todas as edições da competição. Bastou passar ?em branco? no empate sem gols, em Quito, contra o El Nacional, para que surgissem as primeiras cobranças. ?Assumo o compromisso de entrar em campo sempre pensando em fazer gol, mas tentar superar Pelé não é o meu objetivo. Nem penso nisso?, afirma o atacante.Leia mais no Jornal da Tarde

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.