Ricardo Teixeira depõe sobre venda de ingressos à Copa

O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, depôs nesta quarta-feira sobre a venda casada de ingressos à Copa do Mundo da Alemanha, na Delegacia de Crimes Contra o Consumidor (Decon), na Gávea, zona sul do Rio. A entidade é acusada de usar a agência de viagens Planeta Brasil para vender as entradas somente após a aquisição de passagens aéreas e hospedagem na cidade européia. ?O inquérito tem aspecto jurídico penal e, por isso, o presidente da CBF precisou ir depor na delegacia do consumidor. Caso seja considerado culpado, pode ser até preso?, disse o promotor do Ministério Público Rodrigo Terra, que iniciou as investigações e encaminhou a sua apuração para a delegacia. ?Quem vende os pacotes com os ingressos é a Planeta Brasil, mas porque foi indicada pelo presidente da CBF e essa seria a responsabilidade dele.? Ao sair do depoimento, que durou 1h30, o presidente da CBF não quis falar com os jornalistas. Seus advogados, o diretor Jurídico da entidade, Carlos Eugênio Lopes, além do auditor do Superior Tribunal de Justiça Desportiva José Mauro do Couto, também não se pronunciaram. Já a Polícia Civil alegou estar sob sigilo de Justiça pedido pelo Ministério Público para não dar informações. Mas, o Portal Estadão apurou que em seu depoimento, o presidente da CBF alegou que a entidade não fez a venda de ingressos. Também contou que a responsabilidade pela comercialização das entradas é da Fifa e que a entidade brasileira não interferiu no processo.

Agencia Estado,

17 Maio 2006 | 18h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.