Ricardo Teixeira quer Forças Armadas na Copa de 2014

Presidente da CBF utiliza como exemplo das últimas edições da Copa para corroborar com sua idéia

Alexandre Rodrigues, O Estado de S. Paulo

25 de abril de 2008 | 19h54

O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, defendeu nesta sexta-feira o emprego das Forças Armadas no esquema de segurança a ser preparado para a Copa de 2014 no Brasil.Veja também: Proibida a venda de bebidas alcoólicas em estádios CBF confirma amistosos diante dos Estados Unidos Segundo Teixeira, o emprego de militares ocorreu nos países que sediaram o torneio recentemente. Ele disse esperar do Ministério da Defesa o emprego das forças federais nas cidades que serão sedes da Copa durante os cerca de 50 dias do torneio e sua preparação."Quem foi à Copa do Mundo na França se lembra perfeitamente bem que o patrulhamento de Paris, inclusive no Champs-Elysées, era feito pelo Exército francês. Em cada esquina havia um soldado patrulhando. Na Alemanha, o hotel onde nós, membros do comitê executivo, ficamos em Berlim era todo cercado pelo Exército alemão. Nos EUA, o Exército americano e a Guarda Nacional trabalharam, inclusive nos estádios de futebol", afirmou. "Obviamente o Brasil vai se preparar. Tenho a convicção absoluta de que teremos o Ministério da Defesa colocando todos os segmentos das forças de segurança que tivermos."Teixeira participou da abertura do seminário "Perspectivas e Desafios Para o Turismo Copa do Mundo 2014", onde a ministra do Turismo, Marta Suplicy, assinou convênio com a Fundação Getúlio Vargas (FGV) para a elaboração de um estudo sobre as condições do setor e a definição dos investimentos necessários. Segundo ela, o fluxo de turistas atraídos para o Brasil pelos jogos pode ultrapassar os 3,5 milhões que foram à Alemanha. O Ministério do Turismo aplicará R$ 786 mil no diagnóstico.Marta e Eduardo Paes, secretário de Esportes e Turismo do Estado do Rio, disseram que o esquema de segurança provavelmente será inspirado no empregado durante os Jogos Pan-Americanos do Rio, no ano passado, capitaneados pela Secretaria Nacional de Segurança Pública, com o uso da Força Nacional.A ministra afirmou que o governo federal planeja iniciar logo o projeto do trem-bala entre Rio e São Paulo para que ele fique pronto antes da Copa. Segundo ela, só após o estudo detalhado da FGV será possível estimar o total de investimentos em infra-estrutura que será feito pelo País para a Copa. Participaram do seminário representantes de países que estão preparando eventos esportivos como a África do Sul, que sedia a Copa de 2010, e a China, que realiza este ano as Olimpíadas.Segundo Teixeira, os gastos com a reforma e construção de estádios serão custeados pela iniciativa privada, que tem se mostrado muito interessada em participar dos projetos. "Temos que tirar a palavra custo da Copa do Mundo. Nada do que os governos farão em relação à infra-estrutura para a Copa é gasto. É investimento. O trem-bala, por exemplo, é a antecipação de um investimento em função da Copa", disse o presidente da CBF.

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2014CBFRicardo Teixeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.