Daniel Apuy / AP
Daniel Apuy / AP

Richarlison lamenta falhas na defesa da seleção: 'Vamos consertar esses erros'

Atacante ressalta felicidade em voltar a jogar pelo Brasil e fazer um dos gols na vitória sobre o Peru por 4 a 2

Redação, Estadão Conteúdo

14 de outubro de 2020 | 00h12

Apesar do placar de 4 a 2 sobre o Peru, a seleção brasileira sofreu mais do que o marcador indica nesta terça-feira. Em seu segundo jogo nas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2022, o time nacional esteve atrás no placar por duas vezes em Lima. E contou com dois gols de pênalti para virar.

As dificuldades foram reconhecidas por Richarlison ao fim do duelo. Titular nesta noite, o atacante admitiu surpresa com os dois gols sofridos. Foi apenas a terceira vez que a seleção brasileira, sob o comando de Tite, sofreu dois gols numa mesma partida.

"Claro que não queríamos sofrer gols, mas faz parte do jogo. Vamos consertar esses erros para termos uma defesa sólida também", disse o jogador, que guardou elogios para o ataque da equipe. "A gente vem trabalhando durante a semana para poder acertar a casinha e marcar os gols. A gente, sendo atacante, é bem cobrado. Vivemos de gols. Na seleção, tem que por a bola para dentro. Estamos pegando pesado nos treinamentos. Nosso ataque está de parabéns."

Richarlison também exaltou a postura da equipe, que não desanimou mesmo após ficar em desvantagem durante boa parte do confronto. "Isso é mérito da equipe. Tite vem trabalhando isso durante a semana, nos preparou bem para isso. E foi falando no vestiário para mantermos a cabeça no lugar independentemente do resultado."

Recuperado de lesão no tornozelo, o atacante não defendia a seleção há quase um ano. "Estou muito feliz de estar voltando à seleção após 11 meses. É um momento de orgulho, de honrar a camisa. Nesta semana trabalhamos muito, mesmo com dificuldades no tornozelo, trabalhamos dia e noite."

Richarlison comentou ainda que vem evoluindo graças ao trabalho realizado pelo consagrado técnico Carlo Ancelotti, no Everton. "Estou aprendendo a cada dia lá, com o professor Ancelotti. Ele trabalha muito a parte tática. Na seleção, não é diferente. A Premier League (liga que organiza o Campeonato Inglês) faz o jogador evoluir."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.