Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Richarlison revela apostas de até 50 euros em treino para melhorar finalizações

Atacante foi um dos destaques da vitória por 3 a 0 sobre a Bolívia, na estreia do Brasil na Copa América

Raphael Ramos, O Estado de S. Paulo

15 de junho de 2019 | 04h30

O atacante Richarlison não balançou as redes na estreia do Brasil na Copa América diante da Bolívia, sexta-feira, no Morumbi, e mesmo assim foi um dos destaques da equipe devido ao bom entrosamento com Roberto Firmino e as jogadas em velocidade. Para o segundo jogo da seleção na competição, terça-feira, contra a Venezuela, em Salvador, o atacante tem uma missão: melhorar a pontaria nas finalizações.

Richarlison, 22 anos, admite que esse é um fundamento que ele ainda precisa aprimorar e revelou que chega a fazer apostas com os companheiros nos treinos do Everton, seu clube na Inglaterra. "Desde quando saí do América-MG, todos viram a minha evolução. Fui para a Europa e evoluí ainda mais, principalmente nas finalizações. Lá no Everton, aposto 20, 30, 50 euros (nos treinos) para poder melhorar nesse quesito", disse o atacante.

O atacante fez a sua estreia na seleção no ano passado. Em dez jogos, marcou cinco gols. "Estou me sentindo cada vez mais à vontade na seleção. Quem é novo, rola uma certa ansiedade, mas os jogadores e a comissão têm nos deixados tranquilos. Espero continuar assim", disse.

Dentro desse processo de evolução na seleção, Richarlison destaca principalmente o papel do técnico Tite. "Ele sempre está sempre perto da gente, consertando os erros. Ele chama conversar e arrumar", afirmou. 

Sobre as vaias recebidas pela seleção no intervalo do jogo com a Bolívia, o atacante disse considerar "normal" e lembrou do poder de reação da equipe no segundo tempo, quando time marcou os gols da vitória por 3 a 0. "No Brasil, isso é normal, já estamos acostumados. Voltamos mais fortes para o segundo tempo, fizemos logo o primeiro gol e isso nos deixou mais tranquilos para marcar o segundo", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.