Rincón ainda tem mágoa de Marcelinho

O colombiano Freddy Rincón, capitão do time do Santos, não esconde: ainda guarda mágoa do atacante corintiano Marcelinho Carioca, com quem teve um desentendimento quando jogava no Corinthians. "Não posso dizer que somos amigos", disse, referindo-se ao ex-companheiro. "A palavra amigo seria muito forte para definir o que penso dele." Marcelinho liderou um grupo de jogadores corintianos que teria forçado a saída de Rincón do time. O colombiano confirmou que o jogador criou problemas para ele quando eram companheiros de equipe. Ele não quis relembrar o caso, alegando que a hora não é oportuna. "Nesse momento temos que nos concentrar apenas no jogo de domingo." É quando o Santos enfrenta o Corinthians na primeira partida das semifinais do Campeonato Paulista. Rincón acha que as desavenças que tiveram não irão entrar em campo com eles. "Sou um profissional e o que aconteceu já ficou para trás." Ao ser informado de que Marcelinho o tem criticado em entrevistas, disse que não iria responder a nenhuma crítica. "Se eu ouvir da boca dele, então respondo." Não deixou, no entanto, de dar uma alfinetada no desafeto. "Eu tenho, para mim, muito claro o que quer dizer a palavra profissional. Para os outros, não sei, cada um sabe avaliar a si mesmo." Aos 34 anos, ele disse que colecionou muitos amigos na carreira e acha que ainda tem futebol para atuar em qualquer equipe do Brasil ou da Colômbia, seu país. Perguntado se voltaria a jogar no Corinthians, disse que não descarta essa possibilidade. "É uma hipótese real, pois sou jogador de futebol e, como profissional, não descarto nenhuma equipe." Sobre a possibilidade de ser vetado pelo desafeto, disse que Marcelinho não é o dono do Corinthians. "Ele é um funcionário do clube, como eu fui."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.