Rincón desdenha torcida do Santos

Embora o Santos tenha vencido sete dos oito jogos que disputou na Vila Belmiro nesta temporada, com a expressiva média de três gols por partida, uma facção de torcedores insiste em abrir faixas viradas para baixo nos estádios, como forma de protesto, desde a desclassificação do time nas semifinais do Rio-São Paulo, na derrota por 1 a 0 contra o Botafogo-RJ, na Vila Belmiro. De lá para cá, a equipe teve um período de baixa, mas mesmo assim derrotou a Anapolina, pela Copa do Brasil, e o Palmeiras em seu estádio, e agora volta a depender apenas de seus resultados para conseguir a vaga à próxima fase, mas a torcida continua demonstrando insatisfação."Não vou fazer nenhum pedido à torcida porque em alguns momentos em que ela podia nos ajudar, negou o apoio. Prefiro conscientizar meus companheiros a se empenharem ao máximo e mostrar a eles que essa é uma oportunidade que não podemos desprezar. Temos obrigação moral e profissional de dar uma resposta em campo. Se os torcedores acharem que devem apoiar, melhor. Caso contrário, vamos fazer a nossa parte", garante Rincón, que não perdoa os torcedores que iam à Vila Belmiro para vaiar o time do primeiro ao último minuto, chegando a invadir os vestiários para tentar agredir jogadores, atiraram sobre eles, chamando-os de mercenários, no segundo semestre do ano passado.Léo, Robert e Deivid acreditam que, como o jogo vai ser no campo do São Caetano, sábado o torcedor santista vai ter um comportamento diferente, incentivando o time. "Em primeiro lugar, não serão apenas os torcedores que normalmente vão à Vila Belmiro que devem ir assistir ao estádio. Na região do ABC e na capital, é enorme o número de santistas e, como acontece nas cidades do interior, eles torcem de uma maneira diferente dos torcedores da Baixada. E se a nossa torcida fizer o barulho que estamos imaginando, o São Caetano pode sentir a pressão", prevê o lateral-esquerdo. Os ingressos estão à venda desde hoje cedo nas bilheterias da Vila Belmiro e o movimento, considerando-se que à noite o Santos enfrenta o Bahia, pela Copa do Brasil, foi considerado muito bom pelos dirigentes.O presidente Marcelo Teixeira não pensa muito diferente. Tanto que, caso o time se classifique para as semifinais do Campeonato Paulista e tenha que enfrentar a Ponte Preta, ele vai pleitear na Federação Paulista de Futebol que os dois jogos sejam disputados na capital, e não um na Baixada e outro em Campinas.Claudiomiro deve voltar a participar de treinos com bola na quinta-feira e pode até ficar na reserva no jogo de sábado. Hoje à tarde, ele participou de treino físico para os jogadores que não se concentraram para o jogo da noite e tem esperança de ser convocado por Geninho para a concentração que vai começar quinta-feira à noite.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.