Rincón: Luxemburgo pressiona Hicks

Empate no tempo normal, derrota nos pênaltis, cinco pontos em seis rodadas. A paz no Corinthians acabou hoje depois do 1 a 1 contra o São Caetano. O resultado que manteve o time na 14ª posição com cinco pontos fez o técnico Wanderley Luxemburgo disparar contra a lentidão da Hicks Muse na contratação de reforços, em especial do colombiano Rincón. "Não quero mais ouvir comentários sobre o Rincón. No máximo amanhã (domingo) essa situação tem que ser definida. Ou a Hicks Muse chega pra mim e fala que não tem dinheiro ou acerta a situação. O campeonato só tem quinze rodadas e não vai adiantar nada trazer o jogador no final", disparou o treinador ao final da partida. Há duas semanas o Corinthians negocia com o jogador colombiano, que pediu muito acima do que o time está disposto a oferecer. A situação chegou ao limite no vestiário do Anacleto Campanella. "Não tenho condições de ficar esperando tanto pelo Rincón. Se a Hicks fizer uma reunião e decidir que o orçamento não pode estourar, todos precisam assumir a responsabilidade e trabalhar com o elenco que temos. Já conversei com o Edvar Simões para resolver isso logo", disse Luxemburgo. A poucos metros dali, estava Edvar Simões. Porém, o gerente de futebol corintiano não ajudou a explicar nada. "Eu não decido contratação. Sou apenas um elo entre a comissão técnica e a diretoria. A pergunta sobre o Rincón vocês têm que fazer para o Roque Citadini (gerente de futebol).", disse. Roque não estava no vestiário. A irritação de Luxemburgo é amplamente justificada com uma olhada rápida na classificação do campeonato. Tudo bem que o Campeonato Paulista só teve seis das quinze rodadas da primeira fase. Mas os corintianos vão passar o Carnaval começando a olhar para a tabela, puxando a calculadora de lado e já fazendo contas sobre como será possível ficar entre os quatro que se classificam para as semifinais. Durante a semana passada, Luxemburgo tinha feito um cálculo de que um time precisaria de 30 pontos para se classificar. Se as contas estiverem certas, o Corinthians precisará conquistar 25 dos 27 pontos que ainda vai disputar na competição. Isso lembrando que o Corinthians só vai fazer outros três jogos em São Paulo e todos os outros no interior. Missão impossível ? "Não vou chegar para a torcida e falar que temos chances de classificação, porque a situação é muito complicada. Mas temos que tentar evoluir para o resto da temporada", assumiu Luxemburgo, que até conseguiu achar algo positivo na atuação do time hoje no ABC. "Melhoramos um pouco. A entrada do Gil no segundo tempo fez o time melhorar. O problema é que o São Caetano conseguiu assimilar a surpresa rapidamente. O time deles joga junto há muito tempo e teve chance de vencer." O primeiro jogo oficial do São Caetano contra um time grande no Estádio Campanella foi um pouco frustrante. Uma chuva que começou a cair quando faltava uma hora para o começo do jogo e só parou no intervalo afastou os torcedores. O estádio tem 23 mil lugares, só seriam vendidos 15 mil ingressos e menos de 12.500 torcedores viram o jogo, metade deles corintianos. Bom apenas para os torcedores do Azulão, que segue na vice-liderança e já se prepara para a estréia na Taça Libertadores contra o Cruz Azul, do México, no dia 6. "Não vamos priorizar nenhuma competição", garantiu o técnico Jair Picerni, que reclamou do resultado final. "Merecíamos ter vencido. O Maurício fez duas defesas espetaculares no final da partida", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.