Rincón: motivo de divisão no Corinthians

Depois do empate com o São Paulo - que foi comemorado como vitória -, um assunto importante divide o Corinthians: Rincón. O que fazer com o colombiano de 37 anos? Contundido, o capitão do ex-técnico Oswaldo de Oliveira não atuou no Morumbi. A equipe foi bem. O que bastou para vários conselheiros insatisfeitos com seu desempenho no time começarem a pressionar a diretoria para dispensá-lo. Se o técnico Tite deixá-lo na reserva, alegam, ele se revoltaria e dividiria o grupo. "Eu só posso falar que o Rincón faz parte do grupo. Espero contar com ele. Mas também é verdade que a equipe se comportou muito bem contra o São Paulo. Vou estar sempre tomando atitudes para pensando no melhor do time", afirmou, dúbio, o treinador. Tite quer analisar com muita calma tudo o que cerca o volante. Nas duas semanas de treinamento que separam a partida diante do Goiás, em Goiânia, o técnico irá investigar profundamente se vale a pena manter ou não o jogador. "Nesse período de recesso, o Tite analisará todos os atletas do Corinthians. E terá o poder de definir com quem quer contar. Não há um caso isolado. Todos passarão pelo seu crivo. O esquema no Corinthians é profissional: ficará quem tem utilidade", disse o diretor de futebol Paulo Angioni. A postura de Rincón, que se recuperou da fibrose na coxa esquerda, continua a mesma, apesar da pressão. "Quero continuar no Corinthians. A esta altura da minha vida não estou para brincadeiras. Se retornei ao futebol é porque sabia o que estava fazendo. Não estou torcendo para o Tite falar bem de mim pelo que viu no passado. No futebol vale o momento. Quero, posso e vou ajudar o time." Rincón conta com o apoio escancarado dos líderes da equipe. O goleiro Fábio Costa, Rogério e Váldson querem a sua permanência. "O Freddy é importante para qualquer equipe do mundo. Além do mais, seu futebol, sua experiência e a personalidade forte fazem bem aos jovens atletas do Corinthians", diz o goleiro. Entre os dirigentes há até uma controvérsia sobre uma cláusula de contrato que autorizaria a dispensa do jogador sem ter de se pagar multa, em junho. Rincón afirma que não - e que se o seu contrato não for cumprido integralmente até dezembro, terá de ser ressarcido pelo Corinthians. Enquanto tenta resolver o que fazer com Rincón, o time poderá ter o reforço de Kléber. O lateral foi liberado do Hannover e ainda não encontrou outro clube europeu para atuar. Como tem contrato até 2005 com o Corinthians, será reincorporado se não se encaixar em novo time. A contragosto da diretoria, que estava esperando fazer dinheiro com ele e aliviar um pouco as enormes dívidas do clube.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.