Arquivo/AE
Arquivo/AE

Rio admite que obras no Maracanã podem custar R$ 1 bi

Estádio é favorito para receber a final da Copa de 2014; local deve ganhar nova cobertura e arquibancadas

Jamil Chade, Agencia Estado

15 de junho de 2009 | 08h03

O governo do Rio de Janeiro admite que as obras para a renovação do Estádio do Maracanã para a Copa do Mundo de 2014 podem custar até R$ 1 bilhão. A informação é do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, que deixou claro que o valor pode chegar a esse patamar se o consórcio que apresentar o projeto mostrar os benefícios do investimento. Mas as autoridades cariocas acirram a disputa com São Paulo e alertam que o Morumbi tem "sérios problemas".

Veja também:

especialTeste seus conhecimentos sobre a Copa no Brasil

lista Todas as informações sobre a Copa 2014

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

Cabral admite que o valor da reforma do Maracanã pode ficar em "pelo menos R$ 400 milhões e R$ 500 milhões, chegando até a R$ 1 bilhão". "Nossa orientação é de dar a concessão ao consórcio que oferecer maior investimentos e benefícios", disse. Segundo ele, há empresas que fizeram estádios no mundo inteiro já interessados, entre eles as que atuaram na Copa de 2006, na Alemanha.

O governador garante que a arquitetura do estádio não será modificada. Mas o Maracanã ganhará uma nova cobertura e arquibancadas. A questão de um estacionamento, porém, não é vista como um fator relevante.

As autoridades cariocas não deixam de apontar para os problemas que o Morumbi supostamente teria. "São Paulo tem recursos e demanda para ter um novo estádio", afirmou Eduardo Paes, prefeito do Rio de Janeiro.

A Fifa alertou que o Morumbi ainda não atende suas especificações, o que colocaria em risco a capacidade do estádio de ser a abertura ou o local da grande final da Copa. "A localização do estádio também é um problema", alfinetou Paes.

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2014Maracanãfutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.