Rio anuncia processo de sorteio para cadeiras cativas no novo Maracanã

Direitos não valerão para a Copas do Mundo e das Confederações; titulares já planejam ação na justiça

Tiago Rogero , O Estado de S. Paulo

17 de abril de 2013 | 13h05

RIO - Depois de meses de indefinição, o governo do Rio anunciou hoje como será o processo de sorteio que vai apontar os novos lugares das 4.968 cadeiras cativas (também chamadas de perpétuas) no Maracanã, em fase final de reforma para as Copas do Mundo e das Confederações. O direito dos titulares, no entanto, não valerá durante as duas competições. Eles já se organizam para entrar na Justiça exigindo o acesso ao estádio. “Temos uma lei, um compromisso assinado pelo Brasil com a Fifa que entrega os estádios à entidade durante as competições. Isso era uma precondição para o País receber a Copa”, disse o secretário estadual de Casa Civil, Régis Fichtner. “O interesse de algumas pessoas que querem assistir a Copa sem pagar nada, só algo que pagaram lá em 1950, não pode se sobrepor ao desejo do Brasil de sediar uma competição como essa”.

O advogado Ricardo Kutwak, titular de duas cadeiras e que representa, segundo ele, cerca de outros 250 titulares, afirmou que entrará na Justiça. “Gostaríamos de equacionar a questão com o governo, mas, como isso não tem acontecido, vamos buscar nossos direitos”. Ele também pretende ajuizar ações contra a taxa de manutenção cobrada pelo governo do Rio e em favor dos titulares que se julgarem prejudicados depois do sorteio dos novos lugares. O sorteio, segundo Fichtner, será dividido em etapas. Primeiro, os titulares devem imprimir formulário que estará disponível a partir de sexta-feira no cadeiracativa.rj.gov.br. Com o formulário preenchido e munido dos documentos exigidos pelo edital que será publicado amanhã no Diário Oficial do Estado, o titular deve comparecer ao Maracanãzinho entre 19 de abril e 10 de maio.

Então, será feito um sorteio entre os lugares em cada um dos cinco setores (A, B, C, D e E). Não será permitida a troca de setores, mas, se o titular possuir mais de uma cadeira em setores diferentes, poderá agrupá-las num só. Ainda não há data para realização do sorteio. De acordo com Fichtner, as cadeiras cativas não serão instaladas para a Copa das Confederações, porque seus lugares serão usados pela Fifa para o trabalho da imprensa, com instalações temporárias. Depois da competição, as cadeiras serão instaladas, novamente removidas para a Copa do Mundo e, da mesma forma, recolocadas ao término da disputa. O mesmo vale, segundo o secretário, para os Jogos de 2016. O custo ficará a cargo do governo do Rio, que já está gastando quase R$ 1 bilhão com a reforma do Maracanã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.