Edgar Su/ Reuters
Edgar Su/ Reuters

Rio Ferdinand assume que se rendeu ao alcoolismo e à depressão após ficar viúvo

Ex-zagueiro do Manchester United conta sobre sua vida pessoal em documentário

O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2017 | 17h05

Rio Ferdinand foi um zagueiro que fez história tanto atuando pelo Manchester United, como defendendo a seleção inglesa. Porém, o que muitos não sabem é que o ex-jogador, aposentado em 2015, teve uma vida pessoal conturbada, chegando a recorrer ao alcoolismo e ao suicídio.

Em documentário produzido pela emissora BBC, Ferdinand assume que depois que ficou viúvo e deixou os gramados após 20 anos de carreira, entrou em uma fortíssima depressão. O ex-zagueiro conseguiu superar e agradece seus três filhos por sua volta por cima.

"Toda a minha vida eu tentei ser ambicioso em tudo o que fiz. Quando eu era jovem eu queria ser um jogador de futebol, o melhor jogador jogar em grandes estádios, ganhando troféus... Mas o que você não para pra pensar é em como construir a melhor casa possível para seus filhos e sua esposa", diz Ferdinand no documentário da BBC. O ex-atleta teve uma carreira de sucesso como jogador, tendo feito 81 jogos pela seleção da Inglaterra, seis títulos do Campeonato Inglês e uma Liga dos Campeões pelo Manchester United.

Sua esposa, Rebecca Ellison, foi diagnosticada com câncer de mama em 2013. Após tratamento inicial, a doença voltou de forma agressiva em 2015 e, em questão de 10 semanas, Rebecca faleceu aos 34 anos, deixando marido e três filhos. Após este episódio, Ferdinand deixou os gramados, alegando que não tinha mais motivos para seguir no Queens Park Rangers.

"No começo, eu bebia muito. Quando as crianças iam para a cama, eu descia as escadas e eu ficava bêbado toda noite. Foi assim durante três ou quatro meses", revelou Ferdinand. O zagueiro que por anos defendeu um dos times mais importantes do mundo caiu em depressão. Após sofrer um acidente de carro, viu-se obrigado a viver para cuidar de seus filhos.

PAI E MÃE

Quando se casaram, Rebecca abriu mão de sua vida para tomar conta da família enquanto o marido se dedicava à carreira como jogador profissional. Contudo, sua ausência fez com que Ferdinand mudasse sua rotina, tendo que se dedicar em tempo quase integral a seus filhos.

"Agora eu posso dizer que quando Rebecca observar-nos do céu vai pensar 'Bom trabalho, rapazes!', concluiu o ex-jogador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.