Rio Preto teve dias de muita agitação

A festa pelo segundo título brasileiro do Santos não será esquecida tão cedo pelos torcedores de São José do Rio Preto, santistas ou não. A cidade jamais viu um fim de semana tão agitado, em seus 152 anos de história. A expectativa começou nos dias que antecederam o confronto, passou pela confirmação da presença do astro Robinho na partida e terminou num verdadeiro carnaval em preto e branco, noite adentro, na Avenida Alberto Andaló, uma das principais da cidade.A maioria dos mais de 36 mil torcedores que lotaram o Teixeirão veio de outras cidades, especialmente de São Paulo e do litoral. Mas muitos percorreram distâncias maiores. "Veio gente de Maringá (PR), Araçatuba e Uchôa??, contou Luiz Carlos Silva, de 26 anos, funcionário do América, clube a quem pertence o estádio. "Foi uma grande sensação para todos nós esse clássico, aqui em Rio Preto??, admitiu. Outros torcedores vieram de cidades de Minas Gerais e Mato Grosso do Sul.Com tantos turistas, os comerciantes locais - especialmente os donos de hotéis, bares e restaurantes -, tiveram motivos para festejar. Foram 35 mil visitantes, que movimentaram cerca de R$ 2 milhões no comércio e lotaram os 1.200 quartos da rede hoteleira da cidade, de acordo com dados do Convention & Visitors Bureau de Rio Preto. O show da cantora Ivete Sangalo, sábado à noite, reuniu 10 mil pessoas e também levou vários turistas à cidade.Também houve problemas. Apesar do forte esquema de segurança - 370 policiais foram destacados para o jogo -, os cambistas agiram quase com total liberdade. Alguns foram detidos, mas nas proximidades do estádio Benedito Teixeira, dezenas deles ofereciam neste domingo ingressos de arquibancada a R$ 50 e de cadeira a R$ 100 - bem mais caros do que os preços das bilheterias, R$ 15 e R$ 30, respectivamente.Atrações - O atacante Robinho e o técnico Vanderlei Luxemburgo foram os mais visados durante o período em que o Santos esteve em Rio Preto. Os torcedores aplaudiam e gritavam o nome do atacante todas as vezes em que ele se aproximava das arquibancadas. Cada aceno era motivo para deixar os santistas felizes. Alguns, mais sortudos, tiveram a chance de conseguir um autógrafo. ?Vim de Tanabi especialmente para dar um abraço no Vanderlei??, exagerou Osmair Buso de Lima, de 36 anos. "Ele tem de voltar para a seleção brasileira??, opinou.Mas a decisão também foi prestigiada por personalidades, como o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o senador Aloísio Mercadante, ambos santistas declarados. "Essa decisão prova que o interior pode voltar a receber grandes festas, como a que vimos hoje??, discursou Alckmin."Essa decisão foi muito boa para divulgar o nome de Rio Preto e prova que temos condições de recebermos grandes espetáculos", comentou o técnico Roberval Davino, que vai dirigir o América no Campeonato Paulista." A cidade só precisa ajudar um pouco mais o clube??, pediu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.