Rivais prometem mais para a decisão

O atacante Reinaldo, do São Paulo, resumiu bem o espírito de frustração da equipe após a partida: "A gente chegou várias vezes, mas a bola não entrou. Vamos ver se no segundo jogo a gente não perde tantas chances quanto hoje", lamentou o jogador, que ficou devendo à torcida são-paulina. Enquanto o atacante Gil comemorava a vitória, e principalmente seu gol na partida, o terceiro e decisivo gol do Corinthians, o goleiro Rogério Ceni tentava animar os companheiros: "Foi um jogo bom, qualquer um poderia sair daqui com a vitória, mas acabou dando Corinthians, por uma infelicidade nossa.""Nós conseguimos ser mais rápidos, principalmente no segundo tempo, e tivemos a sorte de acertar as jogadas", disse Gil. "No próximo jogo, temos de manter a mesma garra e não dar espaços para o São Paulo. Porque eles com a bola nos pés são muito perigosos", analisou o atacante.Foi o juiz - Depois da derrota, como sempre acontece, um dos culpados apontados pelos perdedores foi o árbitro. O zagueiro improvisado Gustavo Nery afirmou não ter feito o pênalti que deu origem ao primeiro gol corintiano - "Ele (Liedson) tropeçou na minha perna" -, e o técnico Oswaldo de Oliveira colocou em dúvida a atuação do árbitro da partida, Cléber Wellington Abade: "Muita falta para a gente ele não marcava". O segundo gol do Corinthians, de Fábio Luciano, que estaria impedido no lance, também foi colocado em dúvida pelos são-paulinos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.