Rivais são "Schumacher", para Candinho

Candinho extrapolou ao explicar a fase que está vivendo no Palmeiras. Sai de campo o técnico e entra em cena o especialista em Fórmula 1. Segundo ele, São Paulo e Santos são os "Schumacher" do futebol paulista e o Palmeiras é apenas um concorrente que tenta se ajustar o quanto antes."Preciso de tempo e um automóvel para bater o Schumacher. Em três dias de treinos, não dá para eu colocar o Palmeiras no mesmo nível de São Paulo e Santos. Não consigo fazer milagre, né!", justificou.Aproveitando a deixa do treinador - primo de Nelson Piquet -, o repórter de uma rádio não perdoou: "Então, você diria que o Palmeiras hoje é um (Satoro) Nakajima?" Candinho balançou a cabeça negativamente e completou a analogia que fez."Um piloto recebe milhões de dólares para pilotar um carro e conquistar resultados. Aqui no Palmeiras, eu sou o piloto que tento que me virar com o que tenho nas mãos. Não é nenhuma novidade que o elenco do Palmeiras é limitado, mas eu tenho que assumir essa responsabilidade e tentar resolver os problemas."A crise do clube não abala Candinho. Uma semana depois de ser confirmado no lugar de Estevam Soares, o novo treinador tenta manter a calma - o que não é fácil na atual situação do time do Palestra Itália (12º, com 11 pontos). A justificativa é simples: "Só consegui treinar esses jogadores por dois dias. Não dá para fazer uma análise."Candinho sabe das deficiências do Palmeiras. Ele não esconde de ninguém que seriam necessários dois reforços. "Não adianta trazer jogador de time pequeno, só para completar o elenco. Preciso de dois caras de nível. Um meia e um atacante. É complicado eu indicar algum jogador porque o clube não pode gastar absurdos, mas sei que a direção está procurando", garante o treinador.Nesta sexta-feira, o time nem treinou. O temporal que caiu em São Paulo interrompeu o treino depois de 20 minutos. O jeito foi antecipar a viagem para Itu. Amanhã, o Palmeiras tem uma parada difícil contra o Ituano, às 18h. Hoje, será feito o único treino antes da partida.As mudanças deverão ser muitas. A começar pela defesa. Candinho deverá testar uma formação com três zagueiros, apesar de defender o esquema 4-4-2. Na frente, apenas Ricardinho será mantido. Adriano Chuva decepcionou o técnico no empate (2 a 2) com o Atlético Sorocaba. Osmar pode aparecer entre os titulares."Vencer em Itu é obrigação, mas também vou estar pensando no jogo de quarta-feira", avisa Candinho. Todo cuidado para encarar o Ituano tem explicação: um novo fiasco no Paulistão pode atrapalhar no jogo da Copa Libertadores, quarta-feira, contra o Cerro Porteño, em Assunção.

Agencia Estado,

25 de fevereiro de 2005 | 20h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.