Reprodução/Site oficial Talleres
Reprodução/Site oficial Talleres

Rival do São Paulo na pré-Libertadores, Talleres conta com velho conhecido dos brasileiros

Volante Guiñazú teve passagens por Inter e Vasco no futebol brasileiro

Luis Filipe Santos, Estadão Conteúdo

18 de dezembro de 2018 | 16h58

O sorteio da Copa Libertadores 2019 reservou um rival pouco conhecido para o São Paulo no mata-mata anterior à fase de grupos: o Talleres, equipe da cidade de Córdoba que irá disputar o torneio continental apenas pela segunda vez. No elenco, está um velho conhecido dos brasileiros, o volante Guiñazú, que teve passagens por Inter e Vasco no futebol brasileiro.

O volante, inclusive, já está na história da equipe por ter participado de momentos cruciais nos últimos anos. Em 2016, Guiñazú marcou o gol que sacramentou o acesso para a primeira divisão argentina após 12 anos, e o título da série B, aos 50 do segundo tempo, virando o jogo contra o All Boys para 2 a 1. Na temporada 2017-18, quando o time conquistou a vaga na Libertadores, ao ser quinto colocado no Campeonato Argentino, foi eleito melhor volante do torneio.

Outro grande nome recente não está mais no clube. Após ser campeão da série B, assegurar o time na primeira divisão em uma temporada e conquistar a vaga na Libertadores em outra, o técnico Frank Kudelka, eleito o melhor da sua função em 2017-18, deixou o Talleres e rumou para a Universidad de Chile. Para substituí-lo, o clube apostou no jovem Juan Vojvoda, de 43 anos.

Vojvoda era auxiliar no Newells Old Boys na última temporada até assumir o Defensa Y Justicia na sexta rodada da edição 2017-18 do Campeonato Argentino. Lá, conseguiu afastar o risco de rebaixamento da equipe e o guiou à nona colocação, conquistando uma vaga na Copa Sul-Americana. Depois, trocou o time verde e amarelo pelo Talleres. Já tem 15 jogos no comando da equipe, com cinco vitórias, três empates e sete derrotas.

Com esses resultados, o Talleres é atualmente o 15º no Campeonato Argentino, entre 26 times. O time está tranquilo em relação ao rebaixamento, já que na Argentina se levam em conta a pontuação nas últimas três temporadas.

Apesar de contar com Guiñazú e com o goleiro Maurício Caranta, ambos com 40 anos, o plantel do Talleres é muito jovem, tendo uma média de idade de apenas 24 anos. Um dos destaques é o volante André Cubas, 22, que surgiu na base do Boca Juniors.

História

O Talleres tem 105 anos e nunca foi campeão nacional, mas já chegou perto. Em 1977, foi vice-campeão do Independiente, perdendo a final pelo critério de gol fora de casa. Já havia chegado nas semifinais em 1976, e voltou a elas em 1978. Depois de brilhar na década de 70 e começo dos 80, se tornou coadjuvante e caiu de divisão na década de 90.

Voltou à série A duas vezes, se firmando na primeira e conseguindo até mesmo um título continental, a Copa Conmebol de 1999. No torneio, o Talleres superou o Oriente Petrolero da Bolívia e o Paraná nos pênaltis nas duas primeiras fases, venceu o Deportes Concepción do Chile na semifinal e conseguiu virar sobre o CSA na grande decisão: após perder por 4 a 2 em Maceió, venceu por 3 a 0 em Córdoba e levou a taça.

Em 2001, disputou a Copa Mercosul e foi primeiro colocado em um grupo que tinha São Paulo, Peñarol e Vélez Sarsfield, mas caiu nas quartas de final para o Grêmio. No ano seguinte, se jogou a Libertadores pela primeira vez em sua história. Ficou em terceiro lugar no grupo, atrás de América-MEX e River Plate, e à frente do colombiano Deportivo Tuluá.

Entretanto, em 2004 caiu para a segunda divisão e em 2009 para a terceira, disputada de forma regional. Conseguiu o acesso para a segunda divisão em 2015, da qual foi campeão em 2016 (com o gol de Guiñazú) e desde então tem estado tranquilo na série A, conseguindo até mesmo a vaga para a Copa Libertadores pela segunda vez na história.

O Talleres tem um estádio próprio, chamado ‘La Boutique’, com capacidade para 13 mil pessoas. No entanto, assim como outros times de Córdoba, manda seus jogos no estádio Mario Alberto Kempes, que tem capacidade para 57 mil pessoas. A torcida é fanática e lotava a cancha mesmo com o time longe da primeira divisão.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.