José Patrício/AE - 20/7/2011
José Patrício/AE - 20/7/2011

Rivaldo aconselha Ganso, Lucas e Neymar a jogar fora do Brasil

Para veterano, jovens devem atuar na Europa para ganhar experiência e respeito dos adversários

Marcius Azevedo, Agência Estado

16 de agosto de 2011 | 12h45

SÃO PAULO - Os clubes estrangeiros que tentam tirar o atacante Neymar e os meias Paulo Henrique Ganso e Lucas do futebol brasileiro ganharam o apoio de um experiente jogador, com larga experiência fora do País. Nesta terça-feira, o meia Rivaldo defendeu a saída dos três jogadores para grandes clubes da Europa para que adquiram mais experiência e evoluam na carreira.

"Acho que Neymar, Ganso e Lucas não devem continuar no Brasil, acho que eles precisam sair o mais rápido possível do Brasil, para ganhar experiência e o respeito que ainda não possuem quando estão aqui", afirmou, avaliando que uma saída do País também contribuiria para a melhora do desempenho da seleção brasileira.

Rivaldo disputou as Copas do Mundo de 1998 e 2002 pela seleção brasileira, sendo um dos destaques da equipe em ambos torneios, mas não teve uma partida de despedida pela equipe, como aconteceu com os atacantes Romário e Ronaldo. O meia, porém, descartou usar um dos amistosos contra a Argentina, que serão disputados em 14 e 28 de setembro, para receber tal homenagem. "Não quero despedida nesse jogo com a Argentina. A seleção precisa se ajustar, esses jogos são para isso, tem que ter uma seleção forte", disse.

Na sua carreira, Rivaldo atuou no Brasil por Santa Cruz, Mogi Mirim (SP), Corinthians e Palmeiras antes de se transferir ao futebol europeu em 1996, quando tinha 24 anos, para o Deportivo La Coruña. Fora do País, ele se consagrou, principalmente na sua passagem pelo Barcelona, e foi eleito o melhor jogador do mundo em 1999. Agora, espera que Lucas, Ganso e Neymar repitam sua trajetória, mas São Paulo e Santos ainda resistem a vender seus principais jogadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.