Reprodução/Instagram
Reprodução/Instagram

Rivaldo comenta má fase do Real: 'Não há ninguém capaz de substituir CR7'

Equipe de Madri não vence há cinco partidas e Benzema e Bale não passam confiança no ataque

EFE

23 Outubro 2018 | 14h15

A poucos dias do primeiro clássico entre Real Madrid e Barcelona nesta temporada, no próximo domingo, Rivaldo comentou que a saída de Cristiano Ronaldo para a Juventus na última janela de transferências deixou um vazio no clube da capital, que não vence há cinco partidas.

"Cristiano Ronaldo é um grande jogador, não só pelos gols, mas também pela personalidade, já que odeia perder. Foi de grande ajuda para os seus companheiros de equipe (de Real Madrid) e parece óbvio que não há ninguém capaz de substituí-lo adequadamente", disse o ex-jogador do Barça, embaixador da casa de apostas Betfair.

Na opinião do brasileiro, "parece óbvio que não há ninguém capaz de substituir adequadamente" o atacante português no Real Madrid atualmente. A pressão por resultados tem inclusive ameaçado o cargo do técnico Julen Lopetegui.

"Não tenho certeza se já é hora de substituí-lo, mas a verdade é que os resultados ruins estão aumentando a pressão. Vamos esperar para ver se Lopetegui pode mudar as coisas. Ele deixou a seleção espanhola para aproveitar esta oportunidade no Real, mas não teve sorte, já que o clube perdeu o melhor jogador, o que parece ser decisivo para as atuações e resultados ruins", analisou.

Para Rivaldo, o italiano Antonio Conte, que está sem clube, "poderia ser uma opção interessante já que é um bom treinador com uma grande reputação, ideal para um clube como o Real Madrid".

Sobre o Barcelona, o brasileiro comentou que "Coutinho e Suárez podem chegar a ser muito importantes" com a lesão de Lionel Messi, que fraturou o braço direito e só deve voltar à atividade em três semanas.

"O Barcelona sentirá falta de Messi, é um jogador fantástico e está tendo um excelente início de temporada, fazendo a diferença e assumindo responsabilidades", comentou Rivaldo.

No entanto, Rivaldo opinou que a ausência de Messi "pode ser uma oportunidade para que outros jogadores deem um passo adiante e demonstrem qualidade em partidas importantes contra a Inter de Milão e o Real Madrid", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.