Rivaldo desfalca Barcelona na Turquia

Primeiro foi o joelho, agora é o tornozelo esquerdo que atormenta Rivaldo. O brasileiro sofreu torção, durante o clássico com o Real Madrid, na noite de sábado e teve os ligamentos afetados. A primeira conseqüência é o afastamento do jogo desta terça-feira contra o Galatasaray, em Istambul, na última rodada da segunda fase da Copa dos Campeões. Não há previsão de retorno ao time catalão e há risco de ficar fora do amistoso da seleção com a Iugoslávia, dia 27, em Fortaleza. Rivaldo já não estava em grande forma, quando entrou em campo, no principal duelo do Campeonato Espanhol. No começo da semana, foi a uma clínica especializada, em Barcelona, submeteu-se a exames e ficou constatada inflamação nos ligamentos do joelho. A alternativa foi apelar para a infiltração, o que permitiu que jogasse contra o Liverpool, na quarta-feira (0 a 0), pela competição européia. Depois desse jogo, ficou em repouso, mas teve confirmada presença diante do Real, no Camp Nou. O desempenho não foi dos melhores, mas ele resistiu e só saiu ao torcer o tornozelo. O médico Ricard Pruna diagnosticou neste domingo ?distensão do ligamento externo?. O jogador brasileiro já iniciou tratamento, mas não há avaliação exata da extensão da contusão. Ele ainda deve passar por ressonância magnética e só em seguida será feita programação mais detalhada para o processo de recuperação. Rivaldo assistiu ao restante do empate por 1 a 1 no banco de reservas, com bolsa de gelo na região afetada. A dor aumentou e houve o exame inicial, no vestiário do estádio. Em princípio, ficou afastada a hipótese de que a mais recente lesão tenha relação com a do joelho. A temporada de 2001-2002 não tem sido das mais produtivas para Rivaldo. Até agora, perdeu 12 dos 30 jogos disputados pelo Barcelona no Campeonato Espanhol. Na maioria das vezes, por contusão. O joelho é o ponto frágil, tanto que foi necessário recorrer a infiltração ? processo terapêutico mais agressivo e invasivo ? para jogar em ocasiões especiais. Há controvérsia em relação ao método utilizado pelos especialistas catalães. Para o médico José Luís Runco, do Flamengo e da seleção, a origem da confusão estaria em erro de tradução: para os espanhóis ?infiltração? é o mesmo que uma simples ?injeção? em português. Mas não existe explicação convincente para o fato de o médico do Barcelona ter deixado por conta de Rivaldo decidir se aceitaria a receita prescrita para jogar contra os ingleses na Copa dos Campeões. Uma injeção à base de antiinflamatórios é procedimento corriqueiro, que não requer consentimento do paciente. O mesmo não ocorre com infiltração, que pode deixar seqüelas graves. O Barça não fala a respeito da hipótese de submeter o astro a operação no joelho esquerdo. Mas quem acompanha a rotina do time especula que essa ameaça existe. Decisão mais radical, de qualquer forma, ocorreria no fim da temporada. O objetivo é não correr risco de deixar Rivaldo fora dos momentos decisivos dos torneios de que a equipe participa. Muito menos do Mundial da Ásia, já tão próximo. Por isso, os paliativos têm sido as injeções (ou ?infiltrações?), a fisioterapia, o repouso e treinos mais leves. O certo é que Rivaldo desfalca o Barcelona na Turquia. A equipe tem 6 pontos e precisa da vitória para passar para as quartas-de-final da principal competição da Europa.

Agencia Estado,

17 Março 2002 | 12h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.