Rivaldo deve ir jogar no Japão

Rivaldo rescindiu neste sábado de manhã seu contrato com o Cruzeiro ? clube pelo qual disputou apenas dez partidas e marcou dois gols ? alegando ?solidariedade? ao técnico Vanderlei Luxemburgo, que havia sido demitido um dia antes. E é possível que nos próximos dias anuncie outra decisão bombástica: a de que deixará a seleção brasileira. O jogador só continuará a vestir a camisa amarela se assinar com um clube brasileiro, mas essa hipótese é remota por dois motivos: como as inscrições para o Campeonato Paulista e o Campeonato Carioca estão encerradas, até o início do Campeonato Brasileiro, em abril, ele só poderia jogar a Copa do Brasil; sua imagem ficou arranhada por ter abandonado o Cruzeiro no meio da Libertadores e ele terá de ouvir muitas críticas se continuar jogando aqui. A Agência Estado apurou que o Japão e o Catar são os países com mais chance de levar Rivaldo. A hipótese mais forte é a de ele ir para o futebol japonês. Antes de assinar com o Cruzeiro, ele recebeu proposta de dois clubes de lá. E a Mizuno, empresa japonesa de material esportivo com a qual tem contrato, tem interesse em vê-lo jogando no país para explorar sua imagem. O contrato de Rivaldo com a Mizuno termina em maio e o acerto com um clube japonês facilitaria muito a renovação. As rescisões com Milan e Cruzeiro e o momento difícil que vive na seleção por causa da pressão para que Parreira o tire do time diminuíram muito sua exposição na mídia, o que pode tornar complicada a renovação em bases interessantes caso não surja um ?fato novo? capaz de levantar sua imagem ? nem que seja apenas no Japão. O Campeonato Japonês começará dia 13 de março. Se optar por fazer um contrato suculento do Catar ? a melhor oferta que recebeu depois de deixar o Milan foi de um clube de lá ?, Rivaldo terá longas férias para curtir ao lado dos filhos. A temporada no país termina em abril e a próxima só começará em outubro. É uma hipótese viável porque o país está investindo muito para atrair estrelas do futebol.Em ambos os casos (Japão e Catar), Rivaldo iria para fazer um último grande contrato e depois voltaria para encerrar a carreira jogando um ano no Brasil. Ele tomou sozinho a decisão de deixar o Cruzeiro. ?Pensei no assunto durante a noite e resolvi ir embora porque foi o Luxemburgo quem me fez vir para cá.? Sua conversa com a diretoria do Cruzeiro foi ?amigável?, segundo ambas as partes. A única pendência que ainda o prende em Belo Horizonte é a rescisão do contrato de aluguel do apartamento em que estava vivendo. Ele está acompanhado dos filhos (Rivaldinho e Thamyris), de uma irmã e de primos e sobrinhos. Todos foram à capital mineira porque queriam vê-lo jogar no clássico deste domingo com o Atlético.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.