Rivaldo pode jogar no futebol inglês

Falta pouco para Rivaldo acertar sua volta ao futebol. Ele está na Inglaterra junto com Manuel Auset, seu representante espanhol, negociando com a diretoria do Bolton Wanderers - time que ocupa a 12ª posição no Campeonato Inglês e que tem como destaques os franceses Djorkaeff e Ibrahim Ba e o nigeriano Jay Jay Okocha.O namoro entre o clube inglês e Rivaldo começou em dezembro, quando o jogador se desvinculou do Milan. Na época, o negócio não evoluiu porque ele estava decidido a voltar ao Brasil.Agora, a situação é inversa: depois da frustrante passagem-relâmpago que teve pelo Cruzeiro e das críticas que ouviu por ter tomado a iniciativa de rescindir o contrato em solidariedade ao técnico Vanderlei Luxemburgo, que havia sido demitido um dia antes, ele decidiu ir embora outra vez.Rivaldo tinha ofertas do Catar (na base de US$ 1 milhão por mês), do Japão e da Europa. Sua opção pelo futebol inglês mostra que ele ainda quer jogar num torneio competitivo e que recebe grande cobertura da mídia internacional. E deixa no ar a possibilidade de continuar na seleção brasileira, o que não aconteceria se decidisse ir jogar num campeonato "secreto", que não tem espaço na tevê brasileira.Rivaldo tem interesse em jogar na Inglaterra desde que brilhava com a camisa do Barcelona. Seu sonho era defender o Manchester United, porque ficou impressionado com a estrutura do clube quando esteve lá para gravar um comercial há alguns anos.Depois da Copa de 2002, quando resolveu sair do Barcelona por causa da volta do técnico Louis van Gaal, com quem não se dava bem, recebeu uma proposta do Tottenham antes de ir para o Milan.Rivaldo fez 32 anos segunda-feira. Seu último grande momento no futebol foi na Copa de 2002, em que marcou cinco gols. No Milan, teve alguns bons momentos no primeiro semestre e depois foi "encostado" pelo técnico Carlo Ancelotti. E no Cruzeiro disputou apenas 10 partidas, sem brilhar.

Agencia Estado,

22 de abril de 2004 | 18h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.