Rivellino entrega o cargo no Corinthians

Roberto Rivellino decidiu que vai deixar o Corinthians. O diretor-técnico entregou o cargo ao presidente, Alberto Dualib, e ao vice-presidente de Futebol, Antônio Roque Citadini, por estar se sentindo desgastado e por ter problemas particulares a resolver. Os dirigentes lhe pediram que refletisse melhor sobre o tema no fim de semana para, então, voltarem a conversar na segunda-feira. Se nenhuma reviravolta ocorrer e Rivellino mantiver o pensamento, a demissão vai ser anunciada oficialmente no início da semana. Dualib e Citadini não vão fazer mais força para segurá-lo no clube, como ocorreu algumas vezes recentemente. Aceitarão passivamente sua saída, pois perceberam que o ex-jogador não demonstra felicidade, que está aborrecido com a série de contratempos ocorridos ultimamente. Rivellino foi considerado por conselheiros e por boa parte da opinião pública como um dos responsáveis pela péssima campanha do time no Campeonato Paulista. Ao lado de Andrés Sanchez e Fran Papaiordanou, fez a maioria das contratações para a competição. E, como se viu, a maioria não deu certo. Andrés e Papaiordanou, por sinal, já deixaram o Departamento de Futebol. Suas tentativas de reforçar o elenco também não vêm tendo desfecho positivo. Uma de suas prioridades, por exemplo, era levar Athirson ao Parque São Jorge. O atleta, contudo, acabou acertando com o Flamengo. As críticas contra seu trabalho começaram a crescer depois da partida contra o São Paulo, em fevereiro, pelo Paulista. Após o jogo, reclamou publicamente do esquema tático do técnico Juninho Fonseca. Seu relacionamento com a imprensa foi marcado por alguns problemas. E o fato de ser pai de Márcio Rivellino, empresário de futebol, também não pegou bem, embora sua conduta nunca tenha deixado dúvidas. De acordo com pessoas ligadas à cúpula corintiana, Rivellino não se adaptou à função. Mostrou não ter o perfil exato, pelo menos neste momento, para comandar o Departamento de Futebol do clube, apesar de ser um profissional esforçado e entender do assunto. O diretor-técnico chegou ao Corinthians em outubro, acompanhado de Júnior, que assumiu a função de treinador e ficou no Parque São Jorge durante apenas 11 dias. A Agência Estado entrou em contato com Citadini, que não quis, porém, confirmar as informações. Rivellino não foi encontrado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.