Rivellino já admite saída de Juninho

O técnico Juninho Fonseca já balança no comando do Corinthians. A derrota para a Portuguesa (1 a 0), neste domingo, no Morumbi, aumenta ainda mais a desconfiança e pressão da diretoria e da torcida sobre o treinador. O diretor-técnico Roberto Rivellino foi muito claro após a partida. "Todos questionamos o trabalho do Juninho. O Corinthians não foi o que espero. Um time tem de ter um padrão de jogo e hoje não vejo isso. Já tive algumas conversas com ele e vamos tentar acertar as coisas", afirmou o dirigente, sem descartar a demissão do treinador. "Tudo pode acontecer. Existe essa possibilidade (de demitir Juninho). Mas temos de ter tranqüilidade para trabalhar."O treinador corintiano, no entanto, estava muito tranqüilo após o jogo e não se mostrava preocupado com uma possível demissão. "As críticas sempre rondam os clubes, principalmente depois de uma derrota. Não adianta me preocupar. Preciso, sim, ver os jogadores que estarão em condições para enfrentar o São Paulo no domingo", disse Juninho.Ele não se abalou e ainda conseguiu encontrar qualidades no fraco futebol mostrado pela equipe no jogo com a Lusa. "Merecíamos o empate, pelas oportunidades que foram criadas", analisou Juninho.Ao fim do jogo, o goleiro Fábio Costa, que mostrava-se irritado, tratou de limpar a barra do técnico do Corinthians. "Não adianta culpar o Juninho. A culpa é de nós, jogadores. Temos de assumir a responsabilidade. Faltou disposição e qualidade", afirmou. "O pior de tudo é que a gente sabe onde errou. Não adianta reclamar da falta de entrosamento. Claro que não é o ideal, mas não é o principal problema."O volante Rincón admitiu que o time ainda apresenta muitos problemas. Mas não quis comentar quais. "O que eu estava prevendo aconteceu. Nós, jogadores, sabemos o que falta, mas não vou colocar para vocês (jornalistas) o que é, porque é a gente que tem de resolver", disse o colombiano.Sobre o desentendimento com o meia Luciano Souza, da Portuguesa, Rincón se defendeu. "Vocês não sabem o que ele falou para mim", esbravejou o jogador colombiano. "Agora, se vocês também querem acreditar neles, o problema não é meu."Para piorar a situação do técnico corintiano, três jogadores deixaram o campo contundidos. Marcelo Ramos, com uma fratura na fíbula da perna esquerda, ficará afastado dos gramados por dois meses; o lateral-direito Rogério sofreu um trauma no olho direito e foi encaminhado para o Hospital São Luís para ser avaliado com mais precisão; e o atacante Rafael Silva, que havia entrado no lugar de Marcelo Ramos, sofreu uma torção no joelho. Se continuar no cargo, Juninho terá de quebrar a cabeça para enfrentar o São Paulo domingo, no Morumbi.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.