EFE/NICOLÁS AGUILERA
EFE/NICOLÁS AGUILERA

River derrota Boca Juniors em clássico na Libertadores

Sánchez marca o único gol do confronto em cobrança de pênalti

Estadão Conteúdo

07 de maio de 2015 | 23h08

Em um clássico quente nas arquibancadas e no gramado, mas de baixa qualidade no futebol, o River Plate abriu vantagem sobre o rival Boca Juniors ao vencer por 1 a 0 o jogo de ida das oitavas de final da Copa Libertadores, na noite desta quinta-feira. Num eletrizante Monumental de Núñez, em Buenos Aires, o time da casa contou com gol de pênalti para acabar com a invencibilidade do rival na competição.

Time com a pior campanha na fase de grupos da Libertadores, o River agora precisa apenas de um empate em La Bombonera para alcançar as quartas de final. O Boca, por sua vez, terá que vencer por dois gols de diferença para eliminar o rival e avançar. Será o terceiro jogo entre as duas equipes em apenas 10 dias - no primeiro, o Boca venceu por 2 a 0, em rodada do Campeonato Argentino.

A partida da volta será disputada na próxima quinta. O confronto é de interesse especial para a torcida brasileira porque o vencedor vai enfrentar nas quartas de final São Paulo ou Cruzeiro - o time paulista venceu o jogo de ida por 1 a 0, no Morumbi.

O JOGO

River Plate e Boca Juniors fizeram um primeiro tempo quente, como era de se esperar, porém de baixo nível técnico. As chegadas mais duras chamavam mais a atenção do que os raros lances ofensivos. Jogando em casa, o River tomou a iniciativa do ataque, sem, contudo, impor pressão.

Mesmo assim, não deixou de levar perigo. Na primeira boa chance, a defesa do Boca vacilou e o cruzamento rasteiro quase alcançou Teo Gutiérrez, que estava livre de marcação na pequena área, aos 10 minutos. Os levantamentos na área foram a principal arma dos anfitriões na etapa inicial.

Se não havia melhores jogadas no ataque, o meio-campo era palco de seguidas faltas e cartões amarelos. Afora uma finalização perigosa aos 31, o River só levou maior perigo nos minutos finais, em finalizações de fora da área, aos 42, com Teo Gutiérrez, e aos 43, com Funes Mori.

Na segunda etapa, o Boca abandonou a retranca e partiu para o ataque, equilibrando o jogo. E conseguiu sua melhor chance logo aos 30 segundos. Calleri disparou pela direita e bateu forte e cruzado. O goleiro Barovero desviou e evitou o gol dos visitantes.

A resposta do River veio aos 6 minutos. Rodrigo Mora recebeu livre dentro da área e, cara a cara com o goleiro Orión, bateu fraco e desperdiçou chance incrível. O domínio, no entanto, era do Boca.

O time visitante era mais incisivo no ataque, investindo principalmente pela direita. O meia Lodeiro, ex-Corinthians, participava de quase todas as jogadas. Diante da falta de reação dos donos da casa, o Boca chegou até a impor pressão no ataque.

E, quando os visitantes estavam mais perto do gol, Martínez sofreu falta dentro da área: pênalti para o River. Carlos Sánchez cobrou no canto direito de Orión e marcou o gol da vitória dos anfitriões, aos 36 minutos, diante da explosão da torcida no Monumental de Núñez.

Com o jogo "incendiado", o River ganhou fôlego para buscar o segundo gol. E quase conseguiu aos 41, em finalização de Teo Gutiérrez para fora. Três minutos depois, o mesmo Gutiérrez acertou Burdisso em lance desleal e foi expulso de campo. Em desvantagem numérica, o time da casa esfriou o ritmo para garantir o triunfo por 1 a 0.

OUTRO RESULTADO

Mais cedo, o Racing buscou o empate com o Montevideo Wanderers por 1 a 1, no Uruguai. Matias Santos abriu o placar para o time da casa no início da segunda etapa, enquanto Brian Fernandez empatou aos 42 minutos do segundo tempo. A partida da volta, na Argentina, será disputada na próxima quinta-feira. O vencedor do duelo vai encarar nas quartas de final o vitorioso do confronto entre Corinthians e Guaraní, do Paraguai.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.