Robert e Santos ainda sem acordo

O tempo está se esgotando e na quinta-feira vence o contrato de Robert. Até esta sexta-feira jogador e clube não haviam chegado a um acordo. O meia revelou que está confiante na renovação e que espera uma definição entre segunda e terça-feira. Essa é a condição para que ele jogue contra o Ji-Paraná, na estréia do time na Copa do Brasil, quarta-feira. "O Santos fez uma proposta, apresentei a minha e agora só depende da diretoria". Um dos pontos que não agradou ao jogador foi o contrato por produtividade, que é um contrato de risco. "Se eu me machucar ou tomar um cartão, deixo de ganhar e isso não é justo", disse.Ele revelou que "se o time jogar quatro vezes num mês e eu ficar fora em um, receberei apenas uma parte do salário". Segundo Robert "essa é uma das coisas que está pegando, mas tem outras e tudo vai depender deles (os dirigentes)".Esse tipo de contrato não foi aceito por ele. "Foi a opção que eles colocaram e eu não aceitei". Os entendimentos estão sendo mantidos e, conforme o meia, a diferença de valores "não é nada de anormal o que eu quero e tenho confiança que vamos acertar a situação antes do jogo contra o Ji-Paraná". Robert revelou que pretende "estar tranqüilo, com o pensamento só voltado para os jogos que temos pela frente, no Rio-São Paulo e na Copa do Brasil".

Agencia Estado,

01 de fevereiro de 2002 | 19h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.