Robert e Santos, um acordo difícil

O contrato de Robert vence dia 7 do mês que vem, mas o entendimento entre o jogador e o Santos está difícil. O presidente Marcelo Teixeira admite que há ainda uma grande diferença entre o que o atleta pede e o que o clube está oferecendo e, mesmo assim, acredita que o meia permanecerá na Vila Belmiro, por já ter atuado no Rio-São Paulo. Para Robert, porém, a situação é diferente: ele está descontente desde que Marcelinho Carioca e Viola foram contratados, no ano passado. A chegada das duas estrelas ocorreu quando os dirigentes insistiam para que assinasse um contrato mais longo, mantendo as bases salariais sob o argumento de que o clube estava em contenção de despesas. Com as contratações milionárias, ele se retraiu. E hoje desabafou: "a diferença entre as duas propostas é grande, mas é muito menor que o Marcelinho Carioca e o Viola ganhavam". O Santos dispensou Marcelinho Carioca e Viola, optando por um time sem estrelas. Nessa nova formação, Robert reassumiu a condição de principal jogador da equipe, embora não tenha o estrelismo dos dois companheiros dispensados. Assim, a renovação de seu contrato passa a ser um grande problema para os dirigentes, já que, não havendo renovação, o passe ficará nas mãos do jogador.

Agencia Estado,

28 de janeiro de 2002 | 19h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.