Roberto Carlos otimista com seleção

Enquanto na Espanha o assunto desta quarta-feira foi a transferência do meia francês Zidane para o Real Madrid, Roberto Carlos, que está no Brasil, preferiu manter o silêncio sobre seu provável novo companheiro de clube. O lateral-esquerdo, no entanto, não se esquivou das perguntas sobre a situação atual da seleção brasileira enquanto aproveitou o dia para visitar a jogadora de basquete Karina, sua amiga pessoal, em Jundiaí (SP) e promover o trabalho do Grupo em Defesa da Criança com Câncer (Grendacc), na mesma cidade."Perdemos as partidas que podíamos perder. Agora isso não pode acontecer mais", admite o jogador. Para ele, o local do jogo contra o Paraguai, próximo adversário do Brasil, e de outros rivais na luta por vagas para o Mundial de 2002 que o time pegará em casa não vai fazer diferença, apesar do fato das torcidas do Rio e de São Paulo terem demonstrado certa hostilidade com relação à seleção nos últimos jogos. "Temos de ganhar em qualquer lugar seja no Maracanã, no Morumbi, em Curitiba ou na Região Nordeste."Roberto Carlos acredita que o Brasil conseguirá vencer os três próximos jogos que terá em casa pelas eliminatórias da Copa e dar um fim à crise que abate a seleção desde o ano passado. O lateral justifica seu otimismo ressaltando o bom ambiente que está contagiando o grupo e o desempenho do Brasil no segundo tempo da partida contra o Uruguai."Acho que, apesar da derrota, fizemos um bom segundo tempo naquela partida. O problema foi que no primeiro esperamos demais o time do Uruguai", avaliou. Para o lateral, "o Brasil só depende dele."Solidariedade - Roberto Carlos fez a festa das crianças e dos funcionários do Grendacc nesta quarta-feira. Distribuiu presentes, inúmeros autógrafos, além de ceder duas camisas do Real Madrid autografadas.O grupo atende 200 crianças que lutam contra câncer e outras doenças do sangue e atualmente tem buscado apoio para terminar a construção de um hospital pediátrico em Jundiaí.O jogador, que anunciou para breve a criação de uma instituição filantrópica para crianças com o nome de seu filho, Roberto Carlos Júnior, acha importante que outros atletas procurem mostrar seu lado mais solidário, o que poderia até mudar a imagem dos profissionais do futebol perante o público.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.