Andreas Comas / Reuters
Andreas Comas / Reuters

Roberto Carlos relembra chegada de Luxemburgo ao Real: 'não conhecia o clube'

Helguera e Morientes criticam forma do técnico de conduzir o elenco em documentário

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de março de 2021 | 16h45

A passagem de Vanderlei Luxemburgo pelo Real Madrid foi um dos assuntos tratados no documentário 'Galácticos', produzido pela ESPN. A série retrata um período em que o clube espanhol tinha um elenco cheio de estrelas, mas, sob o comando do técnico brasileiro, os atletas parecem não ter boas memórias - nem mesmo os compatriotas de Luxa.

Segundo Roberto Carlos, Luxemburgo não conhecia bem a cultura do clube. "Ele veio de uma escola sul-americana para o futebol europeu. Ele não conhecia muito bem o clube. Nós tínhamos o costume de chegar na concentração e, antes do jantar, tomar a nossa cervejinha e o nosso vinho. Quando o Vanderlei chegou, ele tirou primeiro a cerveja e depois tirou as garrafas de vinho. Eu e o Ronaldo, nós falamos: 'Professor, eles (jogadores estrangeiros) têm os costumes deles aqui... Tenta não mudar, não, senão a gente vai ter problemas'", relatou o ex-lateral.

Outros ex-jogadores também demonstraram incômodo com a forma como Luxemburgo passava as instruções. "Um treinador tem que deixar seus jogadores fazerem o que sabem fazer, deixá-los jogar. Com os jogadores do Real Madrid, se você lhes diz constantemente o que fazer, isso é um problema", afirmou o ex-zagueiro Ivan Helguera.

"No futebol é muito fácil ver quando as coisas não funcionam. E quando algo não funciona, é bem evidente", acrescentou o ex-atacante Fernando Morientes.

Luxemburgo ficou no Real Madrid por 340 dias em 2005, em metade de duas temporadas diferentes. Em 45 jogos oficiais, teve 28 vitórias, sete empates e dez derrotas. Acabou saindo do clube sem nenhum título, em dezembro daquele ano, após conflitos com alguns dos principais jogadores da equipe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.