Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Roberto de Andrade aponta clássicos com o Palmeiras como jogos marcantes no título

Presidente do clube destaca força do elenco e a importância de Fábio Carille

Daniel Batista e Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

16 Novembro 2017 | 11h00

Criticado durante quase toda sua gestão, o presidente Roberto de Andrade respirou aliviado após a conquista do título do Campeonato Brasileiro e fez questão de elogiar a dedicação de todos no grupo do Corinthians na luta pela taça.

+ Elenco do Corinthians celebra hepta e relembra descrença: 'Ninguém acreditava'

“Temos algumas missões na frente do clube e uma delas é ganhar títulos. Ganhamos mais um brasileiro e agradeço a todos do clube. Tudo que aconteceu foi inesquecível. Só tenho que agradecer a todos e falar um muito obrigado para a torcida, que nos apoiou durante todo o campeonato”, comentou o mandatário, que fica no comando do clube até fevereiro do ano que vem, quando ocorrerá a eleição no clube.

O dirigente acredita que os dois mais marcantes da campanha corintiana foram ambos com o Palmeiras. No primeiro turno, vitória por 2 a 0, no Allianz Parque e no segundo turno, mais um resultado positivo, desta vez por 3 a 2.

“São dois jogos marcantes. Não pela rivalidade, mas é que no primeiro turno, o Corinthians teve uma atuação exemplar, em um jogo difícil. No segundo turno também, a situação era um pouco mais complicada e nos superamos. O Palmeiras é um time de alto nível, com jogadores forte e que tem mais de um jogador que decide jogo. Foi marcante.”

+ Torcida do Corinthians passa susto, mas dá show em jogo do título

O dirigente também ressaltou a importância de Carille. “Conquistar dois títulos difíceis no mesmo ano não é fácil. Embora muita gente não dê bola para o Paulista, eu dou muita bola e o Brasileiro não tem nem como falar. O Fábio tem todos os méritos possíveis. Sei da forma que ele conduz as coisas e isso só me enche de orgulho”, disse Roberto, que decidiu efetivar o treinador no fim do ano passado, após não conseguir contratar outros treinadores que já tinham maior experiência.

Em relação ao futuro, o presidente não quis dar muitos detalhes, mas apenas prometeu que fará de tudo para manter o Corinthians em alto nível. Ele admite, entretanto, que mudanças no elenco ocorrerão. “Isso faz parte do futebol e não será nem o primeiro e nem o último clube a passar por isso. Existe uma reciclagem normal do time. Jogadores que vão sair e outros que vão chegar. O que eu posso assegurar é que o Corinthians nunca vai jogar com menos de dez jogadores. Sempre terá elenco para por em campo, um pouco melhor ou pior ao atual, mas sempre terá time”.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.