Roberto Frizzo diz que não gosta do estilo de Luxemburgo

Candidato da oposição à presidência do Palmeiras, dirigente revela que prefere o técnico do 'vizinho São Paulo'

André Rigue, estadao.com.br

19 de janeiro de 2009 | 09h14

Candidato da oposição a presidente do Palmeiras, Roberto Frizzo revelou em entrevista ao estadao.com.br que o técnico Vanderlei Luxemburgo não é o favorito para comandar a equipe. O dirigente concorrerá ao cargo com o economista Luiz Gonzaga Belluzzo, em eleições que acontecerão no próximo dia 26.Veja também:Belluzzo: 'Salário de Luxemburgo é realidade do mercado'Keirrison chega, mas só deve estrear no domingoPalmeiras perde para o União São João em jogo-treinoEspecial: as armas dos times para o Paulistão 2009 Paulistão 2009 - TabelaConfira as novidades do mercado do futebol Dê seu palpite no Bolão Vip do LimãoPara Frizzo, Luxemburgo representa um grande custo ao Palmeiras. "Temos um furo mensal na folha de cerca de R$ 2 milhões por mês. Até quando vamos aguentar segurar eu não sei", explicou o candidato. "Em função dos resultados, 100 pode ser caro se você não ganhar nada, ao passo em que 1000 pode ser pouco se tivermos conquistas. É de títulos que precisamos."O candidato ainda contou que ficou incomodado com as declarações de Luxemburgo, que disse que a meta do clube para 2009 é o Brasileirão. "A camisa do Palmeiras tem sempre que entrar em campo para ser campeão daquela competição que disputar. Temos o Paulistão e a Libertadores pelo caminho. Essa frase dele dá a entender que o clube fez descarte.""Claro que a responsabilidade não é apenas do Luxemburgo", continua Frizzo. "Essa responsabilidade deve ser dividida, temos um time que como todos sabem precisa de reforços, então o Luxemburgo não pode ser o único crucificado."Se Luxemburgo não tem o perfil desejado, Frizzo disse que admira um treinador nos moldes de Muricy Ramalho. "Gosto do técnico do vizinho [o São Paulo, que tem o CT colado com o Palmeiras, na Barra Funda]. Aprecio o treinador estilo treinador, que coloca agasalho, vai para campo e tal. Mas cada um tem o seu jeito."Frizzo, aliado do ex-presidente Mustafá Contursi, disse que ainda não teve nenhuma conversa com Luxemburgo e que só vai procurar o treinador se for eleito presidente do Palmeiras. "Temos uma boa possibilidade de ganhar, mas quero apenas ter um papo se realmente for eleito. Não há o porquê de procurá-lo agora. Nós da oposição não queremos prejudicar o time."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.