Robgol dedica atuação à mulher e à filha

Principal destaque da vitória do Santos sobre o Guarani, Robgol saiu de campo com a voz embargada, emocionado. Não era só pelos dois gols.Nas entrevistas, abriu o seu coração e liberou uma angústia que o acompanha nos últimos dias, desde que a sua filha Maria Luíza veio ao mundo prematuramente. "Minha filha está em uma situação pior do que a minha. Os meus problemas são só profissionais. Ela nasceu de seis meses e está internada em um hospital no Rio de Janeiro. Por isso, dedico os meus gols e essa vitória a ela", desabafou o centroavante santista. O drama da pequena Maria Luíza, primeira filha do jogador com a mulher Daiane, estava mexendo com a cabeça do atacante, que ao mesmo tempo encarava uma fase ruim com a camisa nove santista. Robgol perdeu a posição de titular para Basílio e neste domingo só começou jogando porque Robinho estava suspenso. "Eu estava triste por causa disso. Tudo que faço dentro de campo é em função da minha família. Visitei minha filha na semana passada e ela respirava com a ajuda de aparelhos. Hoje, ela já está sem os aparelhos e vem melhorando. Minha mulher e minha filha são as coisas mais importantes da minha vida e dedico essa vitória a elas porque nesta segunda é o Dia Internacional da Mulher. Amo muito as duas", diz, com os olhos vermelhos e marejados. "Elas sabem que vida de jogador é complicada, nem sempre você está por cima. O Robinho volta e não sei se vou jogar a próxima partida. Mas estou sempre batalhando para dar o melhor para elas." A vitória foi especial não só para Robgol. O goleiro Mauro, que fez a estréia no Santos, saiu de campo com a bola do jogo debaixo do braço. "Se deixar, vou levar (a bola) para casa. Foi a minha primeira partida pelo Santos, por um clube de elite do futebol brasileiro. Essa não vou esquecer", garantiu o goleiro, que jogava no Marília em 2003. "Fiz o meu papel e ajudei na vitória. Além disso, a sorte estava do meu lado", disse, lembrando das três bolas que bateram em suas traves e saíram. Mauro entrou no time de última hora por causa de um gripe que afastou o goleiro Doni do jogo e pegou de jeito alguns outros jogadores santistas. "O Renato também está gripado, eu estou com a imunidade baixa, o Alex está sentindo dor no corpo... Metade do time está derrubado", relatou o lateral-esquerdo Léo, que vai pedir um descanso prolongado ao técnico santista Emerson Leão antes do confronto com o Barcelona de Guayaquil pela Libertadores, quinta-feira, na Vila Belmiro. "Vamos conversar com o Leão e ver o que dá para fazer para a gente se desgastar menos. O jogo contra o Barcelona vai ser importante e eles vão vir para fazer o resultado, como fizemos lá", afirmou o lateral.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.