Robinho ataca técnico do Real e diz ter a 'cabeça no Chelsea'

Atacante brasileiro reitera vontade de ir para o clube inglês e reclama do Real, que insiste em mantê-lo

Efe,

31 de agosto de 2008 | 08h21

O atacante brasileiro Robinho aumentou neste domingo o tom de sua mensagem para provocar sua saída do Real Madrid, reiterou seu desejo de jogar no Chelsea, se mostrou convencido que querem retê-lo devido à falta de contratações e atacou o técnico do clube espanhol, Bernd Schuster, por defender a idéia de mantê-lo na equipe.Veja também: Real propõe rescisão unilateral do contrato de RobinhoDê seu palpite no Bolão Vip do LimãoRobinho deu uma entrevista durante sete minutos, convocada por ele mesmo. Visivelmente nervoso diante de uma grande expectativa da imprensa e com 35 minutos de atraso, ele pediu ao Real Madrid - a um dia e meio do fechamento do mercado de transferências na Europa - que aceite a oferta do Chelsea. O atleta falou que estaria disposto a ficar no banco se o mantiverem no clube espanhol."A situação não mudou nada. Continuam as negociações, eu sigo com a mesma idéia de sair do Real Madrid, quero jogar no Chelsea. Disse isso ao presidente, diretores e ao treinador. Pela enésima vez digo perante a imprensa. O treinador ainda acredita que pode me recuperar, mas minha cabeça está no Chelsea".O atacante brasileiro sabe que o principal defensor de sua continuidade no Real Madrid é Bernd Schuster. Por isso, deu mais um passo em sua estratégia e pela primeira vez enfrentou publicamente o treinador alemão."Schuster não é meu pai, é meu treinador. Não vai me obrigar a fazer nada. Está olhando seus objetivos e eu, os meus. Até agora, não tinha nenhum problema com ele. O presidente me deixa sair, o clube está de acordo comigo, mas Schuster não, porque se comprometeu a me recuperar-me", disse o brasileiro. "Se acha isso, é problema dele. Não quero continuar no Real Madrid", continuou.Robinho contou sua versão sobre os eventos que o levaram a tomar a decisão de sair do clube espanhol, em que está há três anos. "Fiquei incomodado porque desde maio meu pai e meu representante tentaram renovar meu contrato, mas o clube queria contratar (o atacante português) Cristiano Ronaldo e não tinha tanta vontade de renovar comigo"."Não foi uma, nem duas, nem três vezes que meu representante e meu pai foram ao clube renovar. Foram mais de mil vezes e o clube também não se interessou muito pela minha permanência. Não tenho nada contra Cristiano, considero um excelente jogador, mas tenho meu valor e meu orgulho", assinalou. "Agora, como o clube não conseguiu contratar, minha saída é um problema. Tenho meu orgulho e minha intenção é sair", acrescentou.O atacante brasileiro revelou que as primeiras conversas para sua renovação foram "no início de maio" e ficou irritado porque o clube disse que voltassem em setembro, quando são fechadas as negociações. Foi neste momento que ele mudou de opinião. "Antes, achava que ficaria dez anos, mas não é possível e agora tenho vontade de sair".Robinho também está convencido de que ainda não foi transferido porque "o problema é que o clube não conseguiu contratar ninguém".O brasileiro também falou sobre a torcida do Real Madrid, incomodado porque está sendo acusado de "mercenário". Pensando no caso de que tenha que ficar no clube, ameaçou ficar no banco."Quero esclarecer as coisas, porque me chamam de 'mercenário' e não sabem o que aconteceu verdadeiramente. Cheguei ao presidente com uma proposta do Chelsea, ele disse que, se a proposta fosse boa, me deixaria sair. Tinha certeza de contratar outro jogador, mas agora, como estamos no final e não contrataram ninguém, não querem me deixar sair", protestou."Se tiver que ficar um ano sem jogar, ficarei. Vou me recuperar porque sou jovem, tenho 24 anos e é o destino". Depois, Robinho minimizou e disse que não poderia se negar a jogar. "Não vou negar, tenho contrato. Se me fizessem jogar, jogaria, mesmo sem estar feliz".O brasileiro terminou a entrevista insistindo em que sua relação com todos os colegas de equipe é boa, mas que "Schuster deve assumir a responsabilidade" se ele ficar. "O Chelsea já fez o esforço máximo. Falei com o presidente que me disse que me liberaria. A única pessoa que não está me deixando sair é o treinador, porque não contratara ninguém. A torcida é apaixonada pelo clube. Se me insultarem, baixarei a cabeça e ficarei calado sem dizer nada", finalizou.(Atualizada às 10h15)

Tudo o que sabemos sobre:
RobinhoReal MadriChelsea

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.