Robinho diz que Dunga aconselhou a sua volta ao Santos

Na véspera da convocação da seleção brasileira para o amistoso contra a Irlanda, que acontece em 2 de março, em Londres, Robinho revelou nesta segunda-feira que o técnico Dunga foi um dos incentivadores da sua volta ao Santos. O atacante contou que não chegou a ser propriamente um pedido, mas um conselho para que o jogador ficasse mais perto da Copa do Mundo na África do Sul.

AE, Agencia Estado

09 de fevereiro de 2010 | 00h08

Robinho foi vendido em setembro de 2008 ao Manchester City por 40 milhões de euros (cerca de R$ 96 milhões em valores não corrigidos). Em um ano e meio, o atacante não rendeu o esperado e acertou o seu empréstimo até 4 de agosto com o clube da Vila Belmiro.

"O período é muito curto até a Copa do Mundo. O Dunga me aconselhou a voltar", disse Robinho em entrevista ao SporTV. "Ele falou: ''vai com toda a felicidade porque sem estar feliz, você não vai para lugar nenhum''. Não voltei por medo de ficar fora", completou o atacante.

Desde quando assumiu o comando da seleção brasileira, Dunga sempre viu em Robinho um fiel escudeiro. Na Copa América de 2007, o jogador contrariou Ronaldinho Gaúcho e Kaká, por exemplo, e aceitou jogar a competição na qual o Brasil se sagrou campeão.

A preocupação da comissão técnica da seleção com o jogador diz respeito a sua forma física. Sem participar de todos os jogos enquanto estava na Inglaterra, Robinho voltou para o Santos dois quilos acima do peso e ainda sem ritmo de jogo. No entanto, em pouco mais de 30 minutos no clássico deste domingo contra o São Paulo, ele entrou no segundo tempo para dar a vitória ao time da Vila Belmiro.

"Os dois quilos foram embora faz tempo. No próximo jogo (domingo, contra o Rio Claro, no Pacaembu), já estou em condições de jogo", garantiu. "Estou em uma idade boa (26 anos), bem, motivado e tenho a confiança do meu treinador. O Dunga olhou todo mundo até agora, foram quatro anos e minha preocupação era não chegar bem."

COMPANHEIROS NA SELEÇÃO - Enquanto a presença de Robinho na Copa está praticamente garantida, seus companheiros Ronaldo e Ronaldinho Gaúcho são dois que ainda lutam pelas últimas vagas entre os 23 selecionáveis. Mas o santista preferiu não priorizar.

"Eu convocaria o Ronaldo porque ele é meu ídolo. É respeito e admiração por tudo que ele fez pela seleção brasileira", afirmou. "O Gaúcho é um jogador espetacular, mas quem convoca é o Dunga. O Brasil por ser o País do futebol de repente pode deixar de fora um jogador como ele."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.