Robinho e Gallo reclamam da arbitragem

O atacante Robinho disse que o Santos foi superior ao Botafogo e que seu time poderia ter deixado a Ilha do Governadorcom a vitória, não fosse a arbitragem de Heber Roberto Lopes. Citou opênalti sofrido por Diego ainda no primeiro tempo e não assinalado comoexemplo das várias oportunidades criadas pelo Santos. ?Tivemos maisvolume e mais chances. O empate não foi justo. O Diego ia marcar o gole foi derrubado.?Sobre a pedalada à frente do lateral Oziel e que deu origem aoprimeiro gol do Santos, Robinho preferiu transferir o sucesso da jogadaa todo o time. ?Tive felicidade no drible na ponta e o Diego estava bemcolocado para marcar de cabeça.? O técnico Gallo também fez críticas a Heber Roberto Lopes e disse queo árbitro tirou a vitória do Santos. ?Não é desculpa. A minharesponsabilidade não transfiro a ninguém. Mas que a arbitragem foidecisiva, foi. Ele (Heber) decidiu a partida?, protestou o treinador,irritando-se quando indagado sobre o porquê de o Santos não vencer hátrês partidas. ?Estamos também sem perder há três jogos?, disse. Ele não quis culpara equipe por levar novamente um gol nos últimos minutos, como ocorreuna rodada anterior, contra o Brasiliense. Mas lamentou o fato de suaequipe ter sofrido três gols a partir de jogadas de bola parada. Já o meia Zé Elias estava mais preocupado em explicar seu atrito comum policial militar que entrou em campo para tentar conter ossantistas, que cercavam o assistente de arbitragem, Rogério Carlos ?responsável pela repetição da cobrança do pênalti, convertido por AlexAlves. ?Um policial veio com o cassetete para cima de nós. E euprotestei: agressão, não!? No distúrbio, Zé Elias empurrou o policialpor alguns metros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.