Robinho espera quebrar jejum de gols

Robinho pretende quebrar o jejum de nove partidas sem gol quarta-feira, no jogo contra o América de Cali, na Vila Belmiro, pela Toyota Libertadores da América. Essa situação incomoda o atacante, que procura disfarçar: "não fico chateado porque a equipe está ganhando; se estivesse perdendo, seria muito ruim". Ele tem recebido todo o apoio de seus companheiros e revela que não está preocupado com cobranças: "jogando num time grande como o Santos sempre vai existir cobranças e isso não me preocupa". Mesmo sem marcar, Robinho continua sendo um dos principais jogadores do Santos. Ele desequilibra as partidas com seus dribles e tem servido seus companheiros para que façam os gols que deram a liderança do grupo na Toyota Libertadores: oito, em três partidas. "Sei que o gol sairá na hora certa e, quando isso acontecer, vou comemorar com meus companheiros e com a torcida", disse o atacante. No último jogo do time, no empate sem gols contra o El Nacional, em Quito, Robinho procurou mais o caminho do gol, chutando inclusive de fora da área uma bola que bateu no travessão. "Infelizmente não entrou e, se isso tivesse acontecido, teríamos saído de lá com a vitória". Diego acompanha o drama de Robinho, seu maior amigo. "Ficar sem marcar gols é normal na carreira de um atleta, mas o importante é que Robinho é um jogador de muita qualidade e parece que está se repetindo o que aconteceu no Brasileiro, quando ele ficou um tempo sem marcar e depois deslanchou". A convivência que tem com o atacante faz Diego entender que "a ansiedade de fazer o gol pode estar atrapalhando o Robinho". Robinho não marca desde que Ricardo Oliveira chegou e conquistou a condição de artilheiro do time, com dez gols marcados em nove partidas. Ele também acompanha o jejum do companheiro de ataque e acha que "Robinho está bem perto de fazer seu gol e bem que podia ter marcado contra o El Nacional naquela bola que bateu na trave", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.