Robinho faz jogada digna de Pelé

O atacante domina a bola perto da área, dá um chapéu no zagueiro e passa no meio de outros dois, em direção ao gol. É derrubado e o juiz marca pênalti. Calmamente, ele mesmo faz a cobrança, sem chances para o goleiro e, em seguida, comemora com um soco no ar. Pelé? Não, Robinho. "Foi uma jogada bonita, foi uma jogada muito bonita, mas para chegar perto do Rei, tenho de jogar muita bola ainda", disse o jovem atacante santista. Mas Ramos Delgado, que jogou com o Rei, admitiu: "essa jogada foi digna de Pelé".Robinho disse que espera continuar fazendo gols importantes, mas lembrou que gol bonito ou feio vale do mesmo jeito. "Claro que se puder fazer gol bonito, vou ficar satisfeito, mas quero continuar fazendo gols, mesmo que seja de canela". Sobre a jogada do pênalti, ele se sente alegre pelo desfecho ter sido o pênalti. "Foi difícil, num campo molhado, num jogo importante, mas se não tivesse saído o gol de pênalti poderia não ter ficado na memória". Mais uma vez os torcedores, em pé, gritavam em coro: "Fica Robinho". "Fico orgulhoso em saber que o treinador, meus companheiros e os torcedores confiam no meu futebol. Isso me deixa bastante tranqüilo e com cada vez mais vontade de jogar bem e conquistar mais títulos pelo Santos", afirma, mais uma vez, usando uma frase que já está se tornando comum.Isso, entretanto, não deve pesar muito em uma decisão de deixar a Vila Belmiro e ele lembrou que "o futebol tem dessas coisas e o mesmo torcedor que elogia hoje vaia amanhã se você não estiver jogando bem". Não disse se sai ou se fica e repetiu que pretende conquistar a Libertadores, que é seu objetivo mais imediato.Só que esse sonho vai ser impossível. Convocado pela seleção para disputar a Copa das Confederações no mesmo período da Libertadores, Robinho vive momentos contraditórios. "É um assunto delicado", admitiu."Todo jogador trabalha em sua equipe para chegar na seleção brasileira e o professor Parreira tem me dado essa oportunidade nas últimas convocações".Ele disse que só quer jogar futebol. "Se tiver de jogar na Libertadores, vou dar meu máximo para ajudar o Santos a ser campeão, se tiver de jogar pela seleção, é um privilégio". Por isso, o atacante deixa a decisão por conta dos responsáveis pela seleção e pelo clube. "O que for melhor para todo mundo será melhor para mim também".Robinho desconversou sobre o interesse do Arsenal em seu futebol, mas antes do jogo admitiu à Rádio Cultura que seu procurador Wagner Ribeiro assistiu ao jogo de domingo contra o Atlético Mineiro acompanhado de dois dirigentes do Arsenal. "Eles estavam lá dando uma olhada no futebol, no Santos inteiro e não só em mim", comentou, concluindo: "prefiro ficar no Santos e ser campeão da Libertadores."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.