Robinho: fora de forma é difícil jogar

Robinho entrou na Vila com o sorriso de sempre. Estava feliz. Conseguiu se livrar de um peso e de um desgaste que o fez engordar dois quilos e perder um pouco de massa muscular. Amanhã sua alegria vai aumentar ainda mais: o atacante vai ser convocado para o amistoso da seleção contra a Croácia, dia 17 de agosto. Parreira não estava disposto a chamá-lo, mas mudou de idéia hoje à noite. Só há uma chance, pequena de rever sua posição: um acordo entre Santos e CBF, para preservá-lo. O craque não estava treinando com o elenco. Passou um mês no sofá de casa e em sessões de musculação. Motivo também que o fez sentir os 90 minutos da partida com o Corinthians. Ele mesmo reconheceu seu condicionamento precário. "Estou fora de forma, mas espero melhorar agora que voltarei a treinar. Também fui muito bem marcado pelo Betão, que jogou limpo e sem maldade. Mas fora de forma é difícil", comentou o craque. Robinho, ainda em campo, ignorou a indiferença da torcida com a sua presença de volta. "O torcedor aplaudiu o time e isso é o que importa. Estou muito feliz por isso. E o que vale é que o time venceu." O atacante já tem casa em Madri, onde irá morar com os pais e a noiva Vivian. Tudo isso já havia sido providenciado muito antes por seus representantes. Enquanto não viaja, Robinho continuará a ser fundamental para o Santos, na opinião do técnico Gallo e dos jogadores. "Já que ainda está aqui, fiquei feliz de poder atuar novamente ao lado de Robinho. Ele irá nos ajudar até o fim do mês. Com o tempo, irá recuperar sua forma", disse o capitão Ricardinho. O elenco sentiu a presença positiva de Robinho. Ficou mais motivado. Ricardinho disse isso. O goleiro Saulo também, além do meia Giovanni. "Só a presença dele no grupo já mudou o astral do time, que precisava vencer?, comentou o goleiro. Na sala de imprensa, onde Robinho não falou por sua decisão, uma gravação narrava um de seus gols de pênalti na temporada. Jornalistas espanhóis ficaram decepcionados por não poder entrevistar o craque. Robinho deixou a Vila pela sala de troféus. Pelé, que esteve hoje na Vila para assistir ao clássico e ver Robinho, foi fundamental para a decisão do presidente Marcelo Teixeira de aceitar os US$ 30 milhões (R$ 71,1 milhões) do Real Madrid pelo jogador. "Era dinheiro demais para o Santos não aceitar", disse Pelé, minutos depois de ver seu Santos ganhando do Timão como nos tempos em que atuava.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.