Robinho, o novo Rei da Vila Belmiro

"Robinho - nosso novo Rei." A faixa trazida por torcedores de Fernandópolis ao Estádio Benedito Teixeira, em São José do Rio Preto (SP), não é um exagero. O jovem atacante, ponto de desequilíbrio a favor do Santos, foi o responsável pela campanha vitoriosa no Brasileiro, teve seu nome gritado pelos torcedores antes, durante e depois da vitória sobre o Vasco e saiu de campo consagrado pelo 2.º título nacional na carreira.Destaque do time de Vanderlei Luxemburgo, Robinho de fato lembrou Pelé. Não apenas na paixão dos santistas. Os contemporâneos de Edson Arantes do Nascimento diziam que quando o Rei acordava de bom humor, era certeza de vitória. Pois o garoto de 20 anos levantou sorridente, demonstrando estar recuperado do impacto pelo já solucionado seqüestro de sua mãe e com muita vontade de entrar em campo. E, no gramado, respondeu com simpatia e acenos aos gritos vindos das arquibancadas. "Olê, Olá, o Robinho vem aí e o bicho vai pegar."E o que os mais de 36 mil pagantes queriam ver, aconteceu. O atacante participou das principais jogadas, amedrontou os zagueiros cariocas e deu o toque de classe a uma decisão que praticamente só teve uma equipe em campo.Robinho, no entanto, não chegou a ser brilhante. Nem precisava. Cada movimento seu era acompanhado de perto. Dribles e passes, por mais simples que fossem, provocavam aplausos e manifestações eufóricas.Pedido - "Se Deus quiser, o gol vai sair no segundo tempo", disse, ao sair de campo no intervalo. Tentou muito, mas não balançou as redes do Vasco. No entanto, se o pedido do gol não foi atendido, o título veio para aumentar a glória do autor de algumas das jogadas mais espetaculares da competição.Até a substituição por Basílio, aos 19 minutos da etapa final foi motivo para aplausos. E no apito de Leonardo Gaciba, que encerrou o jogo, foi um dos primeiros a pular na grade de proteção, para comemorar perto da torcida, e dar a volta pelo gramado do Teixeirão. "Esse título vai para os torcedores, que sempre me apoiaram."Por tudo isso, o esforço dos santistas para chegar a Rio Preto valeu a pena. Não só pelo título, mas pela oportunidade de ver Robinho, um dos raros exemplos de que o futebol brasileiro ainda não perdeu a arte.Os torcedores nem se importam se esta foi a última vez que o atacante vestiu a camisa do clube. Apesar das sondagens de Benfica e Real Madrid, os dirigentes pretendem mantê-lo, mas os santistas têm a certeza de que assistiram a um dos maiores jogadores que já passaram pela Vila Belmiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.