Robinho passa no vestibular de Parreira

O sistema de som do Hong Kong Stadium anunciou, um pouco antes do início do amistoso em que o Brasil goleou Hong Kong por 7 a 1, o nome de todos os jogadores que entrariam em campo. Ronaldinho Gaúcho foi aplaudidíssimo, o mesmo ocorreu com Roberto Carlos. Robinho passou completamente despercebido - ninguém o conhecia. Alguns minutos mais tarde, no entanto, ganhou a simpatia e o respeito do público, com belas jogadas, dribles bonitos, passes precisos e um gol. Deixou de ser anônimo. O reconhecimento mais importante chegaria após o confronto.Carlos Alberto Parreira aprovou sua atuação e deixou a porta da seleção aberta para seu retorno. Mesmo levando em conta a fragilidade do adversário.Robinho realmente foi bem nos aspectos táticos e técnicos e, assim, praticamente garantiu um lugar no grupo para as próximas convocações.Deverá estar na lista dos chamados para os jogos contra Peru, no dia 27 de março, e Uruguai, dia 30, ambos pelas Eliminatórias, e cada vez mais vê seu sonho de ir à Copa do Mundo de 2006 se aproximar."O Robinho tem talento e precisa jogar, ganhar experiência", analisou Parreira. "Ele tem marcado mais gols pelo Santos, fez um ótimo Campeonato Brasileiro, está crescendo", complementou. O técnico brasileiro, que o convocou pela primeira vez há pouco menos de dois anos, para um amistoso contra o México, em Guadalajara, acha que sua evolução é clara, o poder de finalização melhorou, mas faz questão de dizer que ainda espera algumas mudanças. "Ele precisava de mais corpo e está ganhando massa muscular, acho que tem de estar mais presente na área, pode ainda crescer." Parreira confia bastante em seu futebol e acredita que pode ajudar o jogador a atingir nível ainda superior em relação ao atual. Com um pouco mais de experiência, o santista de 21 anos passará a brigar por uma vaga de titular. Por enquanto, será convocado para a reserva. A concorrência é grande. Ronaldo e Kaká retornarão na próxima partida, assim como Adriano, da Internazionale de Milão, que deverá ficar no banco contra o Peru.Como não poderia deixar de ser, Robinho deixou o campo satisfeito, distribuindo sorrisos, cumprimentando os adversários. "Fico feliz por ter ajudado a seleção e espero continuar nessa boa fase." O atacante ganhou elogios dos colegas, principalmente de Ronaldinho Gaúcho, com quem fez algumas bonitas tabelas. Para quem vestiu a camisa titular da seleção pela primeira vez, Robinho esbanjou tranqüilidade.Logo no começo do amistoso, fez boa jogada, mas errou o chute. Um pouco depois, marcou um gol, que acabou sendo anulado - estava impedido. O primeiro gol, esse validado pela arbitragem, saiu de seus pés. Fez cruzamento perfeito para Lúcio abrir o placar. Um pouco antes do intervalo, desperdiçou excelente oportunidade. De dentro da pequena área, arrematou para fora.Sua ansiedade por marcar um gol e dar mais brilho à atuação ficava clara no modo como jogava. Esse aspecto talvez o tenha prejudicado um pouco. De qualquer maneira, o objetivo acabou sendo alcançado. Após cruzamento de Júlio Baptista, completou de cabeça. Foi o sexto e penúltimo gol da seleção brasileira contra a quase amadora equipe de Hong Kong.

Agencia Estado,

09 de fevereiro de 2005 | 18h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.