Robinho pode reforçar o ataque do Santos contra o Botafogo

Técnico Márcio Fernandes deve adotar esquema mais ofensivo e atacante pode ganhar chance neste sábado

Sanches Filho, O Estado de S. Paulo

16 de outubro de 2008 | 19h30

O técnico Márcio Fernandes confirmou nesta quinta-feira que pensa na escalação de Robinho para aumentar a força ofensiva do Santos contra o Botafogo, no jogo de sábado, às 18h20, no Engenhão, no Rio. A entrada do terceiro atacante é também a tentativa do técnico de amenizar a falta do artilheiro Kléber Pereira, que cumprirá suspensão pelo terceiro cartão amarelo, e para que Lima, que ainda não fez gol no Campeonato Brasileiro, tenha mais um companheiro na frente. Veja também:Contra o Botafogo, Fábio Costa retorna ao gol do Santos Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão "Robinho tanto pode começar como titular como entrar durante a partida. Essa é uma das minhas dúvidas", explicou o técnico, após o treino realizado na manhã desta quinta-feira no CT Rei Pelé. Ele considerou "bom" o rendimento de Robinho, que entrou no lugar de Bida aos 20 minutos do primeiro tempo do jogo-treino com o Paulista, de Jundiaí, na quarta-feira, e acha que nas três vezes em que atuou o jogador deu maior dinamismo ao time. Caso Fernandes decida pela entrada de Robinho desde o início, o time vai trocar um volante de marcação - Bida - por um atacante que volta para compor o meio-de-campo. O que vai pesar na sua decisão é se o presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva não acolher o pedido de efeito suspensivo do Botafogo para o meia Carlos Alberto e o atacante Jorge Henrique, dois importantes desfalques do time carioca. Até mesmo suspenso, Kléber Pereira é um dos assuntos preferidos do técnico santista. Nesta quinta, ele disse que não há como negar que a sua ausência significa uma grande perda. "A certeza de gol não vai estar presente", lamentou. Em seguida, procurou demonstrar confiança no futebol de Lima. "Ele tem características semelhantes às de Kléber Pereira e bate bem na bola. Condições para jogar bem, Lima tem. Basta que ele tenha confiança no seu futebol", disse. Ao tomar conhecimento que o atacante considera o jogo de sábado a sua última chance de permanecer no Santos, o treinador chegou a demonstrar preocupação. "É importante quando o jogador pensa assim, mas também tem o outro lado. Ele tem potencial, não pode colocar sobre si uma pressão muito grande porque pode atrapalhar. É melhor que tenha tranqüilidade para que as coisas aconteçam naturalmente." Quanto ao substituto de Fabiano Eller, Fernandes deixou para decidir apenas nos vestiários do Engenhão, pouco antes do jogo. Ele disse que, mesmo que o Paulista não tenha forçado a defesa santista no jogo-treino de quarta-feira, gostou das atuações dos dois candidatos à vaga. "Adaílton vem treinando bem pelo lado esquerdo e Fabão rendeu bem na segunda etapa contra o Paulista. Por isso, estou pensando ainda. Acredito que ambos têm condições para entrar e jogar bem." Depois de três meses de recuperação de uma lesão muscular na coxa esquerda, Fábio Costa volta ao time no sábado. Um dos motivos para Fernandes pedir a marcação do jogo-treino com o Paulista foi para ver como o goleiro iria se comportar em uma situação parecida com a de uma partida oficial. "Ele participou o tempo todo, fez boas defesas e mostrou que voltou ao seu normal", analisou o treinador. "E conforme já havia anunciado, quando Fábio Costa tivesse condição retornaria, pelo jogador que é e pela liderança que exerce sobre os companheiros. Fábio é mais do que um ídolo, porque tem uma história no clube e títulos importantes conquistados", completou.

Tudo o que sabemos sobre:
Santos FCBrasileirão Série A

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.