Robinho que repetir boas atuações

Robinho marcou o gol de empate contra o Cienciano na Vila Belmiro, mas os peruanos não chegaram a conhecer o real perigo que esse irrequieto atacante representa. E o Robinho em boa fase, voltando a jogar o futebol habilidoso que desconcerta os zagueiros com seus dribles geniais e inesperados, é uma das principais armas de Leão para ficar com a vaga na Sul-Americana. O treinador tem gostado muito do desempenho de Robinho e comenta as mudanças que o jogador teve nas últimas partidas: "ele tem aumentado sua capacidade técnica global, está melhorando o cabeceio e tendo a ambição de cabecear, disse Leão, que continuou a enumerar os pontos que levaram o atleta a acabar de vez com a má fase: "o posicionamento dentro da área é melhor, o Robinho está levantando a cabeça, olhando mais o goleiro". Se não bastasse, prosseguiu o técnico, "é mais participativo, está apertando os beques, tanto que recupera bolas importantes". Logo que Robinho teve a queda de produção, já esperada por Leão, o treinador passou a cuidar desse aspecto ao seu estilo. Dá bronca quase sempre, elogia nos momentos certos, mas sempre passa a imagem de pessoa confiável, em que os jogadores sempre podem contar. "Ensinar passa pela repreensão quando merecida, não só para ele, mas para todos os jogadores", comentou, lembrando que "um atacante vive de gols e o Robinho voltou a marcar". Sempre bem humorado, o jogador comemora a boa fase, em que voltou a ser um dos atletas mais comentados do futebol brasileiro por suas jogadas de muita habilidade. "Quando todo o time está bem, as peças individuais que têm qualidade vão aparecer um pouco mais", comentou, dividindo o bom momento com o grupo todo. Ele é grato pelo apoio que teve dos outros jogadores. "Mesmo quando estava jogando mal, sempre tive o apoio de meus companheiros dentro de campo e isso facilita a recuperação". Robinho sentiu quando passou a ser desacreditado por jornalistas e até pelos torcedores. "O mais difícil foi a cobrança", disse ele. "Minha ficha demorou um pouco para cair, demorei para perceber que as equipes estavam preparadas para me marcar e hoje, mais maduro, procuro fugir dessa marcação, e voltei a jogar meu futebol novamente". Para isso, superou deficiências que reconhece ter: "estou fazendo gols e essa era uma deficiência que tinha", comentou, destacando: "o que mudou foi a tranqüilidade na hora de chegar na cara do gol, pois nosso time cria as oportunidades mas nem sempre faz e nos últimos jogos está dando certo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.