Robinho quer deixar a sua marca

Robinho fez dois gols contra o Palmeiras desde que virou profissional. Um foi na Vila Belmiro e o outro, no Morumbi. Será que hoje é dia de deixar sua marca no Parque Antártica? "Espero fazer uma grande partida e continuar marcando os meus gols. O Marcos é um grande goleiro, campeão do mundo, mas vou fazer o possível para marcar."Nas duas vezes em que marcou contra o Palmeiras, o jogo terminou empatado. No Brasileirão de 2002, na Vila, o placar foi 1 a 1. E no Paulistão do ano passado o jogo no Morumbi terminou 2 a 2, depois de o Verdão ter aberto 2 a 0 no primeiro tempo com gols de Magrão e Vágner Love.Fazer gol virou uma doce rotina para Robinho, que no início da carreira era tão conhecido por suas pedaladas e dribles desconcertantes como pela falta de precisão nas finalizações. Ele começou a trabalhar mais esse fundamento quando o técnico ainda era Émerson Leão, se aprimorou com Vanderlei Luxemburgo e hoje é um dos artilheiros do Campeonato Paulista com 10 gols - ano passado, fez 21 gols no Brasileirão e dividiu com Deivid a artilharia do time, apesar de ter ficado fora de vários jogos durante o período em que sua mãe esteve seqüestrada.POPULARIDADE - A transformação em goleador teve efeitos imediatos. O Real Madrid dá como certa sua contratação para junho, apesar dos desmentidos da diretoria santista e do empresário Wagner Ribeiro, e Carlos Alberto Parreira o levou de volta para a Seleção Brasileira. Robinho foi titular contra a fraca seleção de Luxemburgo na vitória por 7 a 1 mês passado, mas o treinador gostou muito de seu comportamento em campo e fora dele e deu sinais de que o manterá no grupo nas próximas convocações - sexta-feira chamará os jogadores para os jogos contra Peru (dia 26, em Goiânia) e Uruguai (dia 30, em Montevidéu) pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo.Fora de campo, a grande fase também teve reflexos. Ele é disparado o maior ídolo da torcida santista e sua popularidade está cada vez maior. "Estou com a caneça no lugar, as pessoas gostam de me ver jogar e isso faz com que eu tenha cada vez mais motivação para fazer aquilo que sei, que é pegar a bola, ir para cima, tocar de primeira e apresentar meu bom futebol. Isso me dá tranqüilidade para jogar e não há problema algum em agradar a todos, tirando uma foto ou dando um autógrafo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.