Robinho quer se despedir na Vila

Robinho quebrou hoje o longo silêncio e concedeu sua primeira entrevista no Centro de Treinamentos Rei Pelé desde que o impasse sobre sua transferência para o Real Madrid foi resolvido. Ele estava descontraído, como nos melhores tempos, e revelou que gostaria de se despedir na Vila Belmiro, garantindo que pretende voltar um dia a jogar pelo Santos, time que o revelou. O atacante não está preocupado com o comportamento da torcida e pediu que ela lotasse o Estádio para ajudar a equipe. "Independente da forma que o torcedor vai me tratar vou fazer o meu trabalho", disse ele, completando: "qualquer forma de manifestação da torcida tem de ser entendida porque sabe que ela é apaixonada. As mesmas pessoas que aplaudem, vaiam e tenho certeza de que ela apoiará. Nós jogadores vamos tentar fazer uma boa partida para deixar todos contentes". Isso, em sua opinião, ficou mais importante depois do empate contra o Paraná. "Precisamos agora de uma grande vitória". Robinho ainda não pensou numa festa de despedida. Pelo que ficou acertado, ele terá ainda três partidas com a camisa do Santos antes de ser apresentado ao Real Madrid. "Ainda não sei qual será meu último jogo pelo Santos, mas vou continuar jogando enquanto tiver de jogar". Se houver alguma festa de despedida, ele espera que seja contra o Figueirense, na Vila Belmiro. "Não gosto muito de despedida, mesmo porque vou jogar na Europa agora e, com certeza, vou jogador futuramente de novo no Santos". Admite, porém, se houver "uma pequena despedida na Vila Belmiro, não vai ser ruim, não". Ele ressaltou que é o estádio onde ele gosta de jogar. Se depender do técnico Gallo, porém, Robinho vai fazer sua última partida pelo Santos dia 24, contra o Paysandu, em Belém. "Isso é o que ficou combinado e deve ser cumprido". Por outro lado, o treinador confirmou que a CBF não liberou o atacante e o meia Ricardinho para o amistoso contra a Croácia. Assim, eles não jogarão na estréia na Sul-Americana no dia 17, contra o Fluminense. ERRO - Robinho comentou o impasse criado para sua saída e acredita que o desfecho tenha sido bom, "apesar de algumas críticas que recebi por não ter vindo treinar". Admitiu que errou. "Sei que as coisas boas que já fiz, procuro fazer novamente e evito fazer de novo as coisas erradas". Ele disse que sai feliz, primeiro por ter voltado a jogar e depois por ter se entendido com o presidente Marcelo Teixeira. "A proposta do Real Madrid foi boa para o clube e para mim. Então, saio pela porta da frente, como eu queria, e espero voltar a jogar pelo Santos". Revendo a crise toda criada pela proposta do clube espanhol, Robinho acredita que as coisas poderiam ter ocorrido de outra forma. "Se eu falasse com o presidente para a gente entrar em acordo, sei lá. O importante é que já passou, que errei e se errei, está tudo resolvido". Ele procura não pensar sobre isso e diz que está com a cabeça voltada apenas para os próximos jogos que terá de fazer com a camisa santista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.