Robinho: "Respeito Adriano, mas quero jogar"

Robinho disse neste sábado que está pronto para ser escalado por Carlos Alberto Parreira como titular do Brasil contra Gana, terça-feira, em Dortmund, mas que mantém o respeito por Adriano, seu principal adversário por uma posição no ataque. "Respeito Adriano, mas quero jogar", avisou o atacante, que estava bastante sorridente ao chegar para o primeiro treino da seleção após a vitória por 4 a 1 sobre o Japão, que encerrou a participação do Brasil na primeira fase.Em sua primeira chance como titular no Mundial, Robinho teve boa atuação e foi muito elogiado pelos colegas e na imprensa, mas disse que não recebeu de Parreira a notícia de que estará escalado. "Ainda não sei se vou jogar, mas estou preparado. Quando eu entrei, joguei bem", revelou.Perguntado sobre qual decisão tomaria se pudesse escolher, Robinho se esquivou: "O Parreira ganha bem para decidir isso". Em contraste com a alegria do ex-jogador do Santos, Adriano passou com cara fechada pela área onde os jogadores conversam com a imprensa e não deu entrevistas.Já os dois laterais titulares, que foram poupados contra o Japão, mostraram tranqüilidade e se dizem seguros quanto à volta ao time no jogo pelas oitavas-de-final. "Tenho muita história na seleção e estou tranqüilo, isso não me preocupa", disse Roberto Carlos, que elogiou a atuação do reserva Gilberto. "Ele entrou bem, fez até um gol".Na expectativaCafu contou que manteve até o fim a expectativa de entrar na partida contra o Japão e ter a chance de bater o recorde de participações de um jogador brasileiro em Copas - divide a marca de 18 jogos com Taffarel e Dunga. "Estava ansioso e fiquei ali fazendo alongamento. Pedi ao Parreira para dar um jeitinho de entrar, mas ele não quis arriscar", contou o capitão da seleção, que estava pendurado com um cartão amarelo - a partir das oitavas-de-final, as punições anteriores são zeradas.Para esta partida com Gana, Cafu está pronto para voltar ao time titular e retomar a faixa de capitão, usada por Dida e Ronaldo contra os japoneses. "Não tem por que eu ficar de fora", afirmou. Já o reserva Cicinho se mostrou resignado em retornar para o banco, mesmo depois de jogar a partida inteira, bem mais que os "15 minutinhos" que esperava jogar, como dizia antes da partida contra o Japão. "Estou no banco do melhor lateral-direito do mundo, o capitão da seleção", disse o aniversariante do dia - Cicinho completa 26 anos neste sábado, justamente 10 a menos que o titular da sua posição.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.