Robinho: Santos recusa US$ 30 milhões

O Santos foi notificado judicialmente, hoje, a respeito da carta de fiança bancária de US$ 30 milhões de Robinho para o rompimento unilateral de contrato para que ele possa se apresentar ao Real Madrid, da Espanha, e não mudou a sua posição de exigir integralmente a multa de US$ 50 milhões. Logo que recebeu a notificação, hoje à tarde, o presidente do clube, Marcelo Teixeira convocou uma reunião de emergência com o presidente do Conselho Deliberativo, José da Costa Teixeira, integrantes das comissões do órgãos e membros do Conselho de Orientação e Fiscalização (COF) - composto por ex-presidentes do clube - para discutir o assunto. Teixeira recebeu o apoio para exigir o retorno de Robinho ao trabalho e não aceitar o pagamento parcial da multa. Ao final da reunião, o dirigente fez um pronunciamento sobre o assunto. "Convoquei a reunião porque havia um fato novo. Reiteramos a nossa posição de solicitar que o atleta volte a treinar, a trabalhar", afirmou, lembrando a decisão de apoio da CBF ao Santos e o parecer de juristas, que consideram que Robinho não tem direito aos 40% sobre o valor da multa. "Entendemos que o jogador deve exercer o seu direito de trabalho no Santos FC e contamos como seu trabalho para colocarmos em prática uma série de projetos." A reunião desta segunda-feira à noite serviu para evitar que o presidente santista não assuma integralmente a responsabilidade se o impasse se prolongar por muito tempo ou mesmo no caso uma derrota se o Real Madrid ou Robinho recorrer à Fifa ou à Justiça do Trabalho. Quando chegavam, inúmeros conselheiros disseram que o Real Madrid só tem uma saída: depositar, em nome de Robinho, os US$ 50 milhões. Terminada a reunião, o presidente do CD e importantes conselheiros se recusaram a falar sobre o assunto, alegando que apenas o presidente Teixeira está autorizado a se pronunciar a respeito. A exceção foi o vice-presidente da diretoria, Norberto Moreira da Silva. Ele disse que nos próximos dias, os agentes de Robinho serão chamados à Vila Belmiro quando haverá uma tentativa para que Robinho retorne às atividades. "O Santos até pode, porém não cogita suspender o contrato de Robinho com base em falta grave (abandono de emprego).", afirmou. Se o Santos suspender o contrato de Robinho, ele deixará de receber o salário de R$ 400 mil mensais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.