Robinho, sem querer, confessa agressão

O Santos voltou a vencer no Campeonato Paulista, se reabilitou do empate com a Portuguesa Santista, mas perdeu o atacante Robinho, expulso no começo do segundo tempo na vitória de 1 a 0 sobre o Atlético, em Sorocaba, neste sábado à tarde. A estrela da Vila Belmiro ainda tentou explicar porque recebeu o cartão vermelho, mas acabou se entregando: "Sem querer dei um soco nele", confessou.Na verdade, Robinho ficou irritado ao ser puxado pelo braço pelo meia Adãozinho e, na tentativa de se livrar do marcador, acertou-lhe um tapa e um soco, num lance esquisito. O árbitro Anselmo da Costa o expulsou imediatamente, aos seis minutos. Naquela altura, a expulsão poderia atrapalhar a evolução do time, que voltou para o segundo tempo mudado, mas Basílio, que entrou no lugar de Fábio Baiano, provou ser o ?pé de coelho? da Vila Belmiro, salvando o time novamente. O herói da tarde, manteve uma conduta humilde: "Tem que estar preparado para tudo. O grupo é muito forte e estamos mantendo os bons resultados".O técnico Oswaldo Oliveira elogiou o "espírito de equipe" dos seus comandados, não esquecendo de referenciar a nova dupla defensiva formada de última hora por domingos e Hallison. "São dois garotos que estão aproveitando a chance para ganhar seus espaços. Eram promessas que agora já são realidade no clube", definiu. O técnico santista reconheceu que o time sentiu a expulsão de Robinho, mas que a defesa "se comportou bem, mantendo-se compacta". Neste clima de atirar confete em todos, Oliveira arrumou espaço até para elogiar a discreta atuação do estreante Tcheco, ainda fora de ritmo. "Ele desempenhou a função que lhe foi determinada", explicou.A boa fase do Santos pode ser traduzida em números. O time completou 105 dias sem derrota e agora vai receber o Guarani, quarta-feira, na Vila Belmiro. Sem Robinho, que cumprirá suspensão, e também vai se apresentar à Seleção Brasileira para o amistoso em Hong Kong, no meio da semana.Outro lado - No Atlético Sorocaba, o técnico Pintado, que estreou no lugar de Giba, lamentou a derrota e considerou o resultado injusto. "Criamos muitas chances e o goleiro deles (Mauro) pegou tudo. Depois tomamos um gol, num lance de mérito do ataque do Santos". O técnico ainda concluiu dizendo que aprovou a atuação do time, principalmente, ´porque mostrou atitude em campo", com destaque no segundo tempo.O experiente meia Esquerdinha não tem dúvida que existe diferença em jogar num time pequeno e num grande. "Não podemos perder gols, porque qualquer time grande não vacila e marca mesmo. Por isso perdemos", finalizou.

Agencia Estado,

05 de fevereiro de 2005 | 18h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.