Robinho sente dor no fim do treino e está sob observação

O atacante Robinho deu um susto no final do treino deste sábado da seleção brasileira, no SSG 90 Stadion, em Bergisch Gladbach, na Alemanha. Ele estava treinando finalizações quando, num chute a gol, sentiu dores na coxa direita. Segundo o médico José Luiz Runco, a contusão é leve.A reação imediata de Robinho foi colocar a mão no local dolorido, logo após o chute. Mancando, ele abandonou o treino de finalizações, mas continuou em campo. Muito discreto, comentou do problema apenas com quem estava por perto: Ronaldo, Ronaldinho Gaúcho e o auxiliar de Parreira, Jairo Leal.Cerca de 10 minutos depois, Parreira encerrou o treino. Nesse período, Robinho ficou ao lado dos companheiros, só observando o trabalho de finalizações. Mas, assim que o técnico apitou o final, ele seguiu direto para o vestiário, agora sem mancar.Robinho não fez nem os exercícios de alongamento que os jogadores realizam ao final dos treinos. Foi direto para o vestiário, acompanhado pelo médico José Luiz Runco.Logo depois, em entrevista coletiva, Runco explicou o caso. "O Robinho sentiu uma fisgada leve na face anterior da coxa direita (músculo do chute), está medicado, fazendo tratamento com gelo", revelou o médico, que evitou fazer previsões. "Vamos aguardar a evolução e se tiver necessidade, pedimos exames de imagem. Não há definição sobre se ele joga ou não. Vamos ver como ele vai acordar no domingo."O técnico Carlos Alberto Parreira disse que está tranqüilo e lembrou que Robinho nunca sofreu uma grave lesão muscular. "Ele nunca teve distensão, vamos torcer para que não seja nada", afirmou.Trabalho leveNeste sábado, o treino foi voltado para o trabalho de finalizações. Na primeira parte, os jogadores recebiam a bola na entrada da área e chutavam. E na segunda, o cruzamento vinha das laterais para a conclusão ao gol, com marcação sempre de dois zagueiros.Segundo Parreira, a hora não é de forçar os treinamentos. Por isso, ele fez mais um trabalho leve neste sábado. "Teremos 4 jogos em 13 dias. É muito desgastante. Não vejo necessidade de fazer coletivos", contou o treinador.Este texto foi atualizado às 13h56

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.