Róbson e Lopes disputam lugar de Robinho

O Santos enfrentará domingo o Guarani em busca da vitória que garantirá a classificação para a próxima fase do Paulista e o time terá dois desfalques: o atacante Robinho e o zagueiro André Luís, que cumprirão suspensão automática. Na zaga, Pereira deverá ser o substituto, mas no ataque há uma dúvida que Leão irá tirar no treino deste sábado pela manhã: Robgol e Lopes disputam a função centroavante. Hoje à tarde os jogadores se reapresentaram e participaram de um treino leve. Animados com a vitória sobre o Barcelona de Guayaquil, os santistas contam com uma vitória sobre o Guarani, mas esperam por um jogo difícil, diante da delicada situação do time de Campinas. "Jogar assim é até mais complicado, pois o empenho do adversário cresce na dificuldade e quando enfrenta um time grande como o Santos", disse Basílio. O companheiro de Robinho no ataque santista não sabe quem será escalado pelo técnico Leão. "O Robgol é um centroavante nato, enquanto o Lopes é um meia que se apresenta bem ali na frente", disse Basílio, que não escolhe o parceiro. "Os dois são jogadores de qualidade e quem entrar irá dar conta do recado, com certeza". 300 partidas - O capitão Renato foi revelado pelo Guarani e vai completar domingo 300 jogos em sua carreira. Espera também uma partida complicada: "O Guarani vai procurar a vitória dentro de casa, ainda mais precisando dos pontos como necessita", disse ele, acrescentando que "sabemos ser difícil jogar nessas circunstâncias, mas estamos conscientes disso e vamos buscar os três pontos para a classificação". Renato lembrou a derrota de 4 a 0 para o Paulista de Jundiaí. "Tivemos a lição, pois demos muita liberdade e o adversário soube aproveitar e corrigimos isso no jogo de quarta-feira pela Libertadores". Ele ficou satisfeito com o golaço que marcou nessa partida, de pé esquerdo. "É o resultado da confiança e daquilo que eu falei: uma vez o Leão frisou que eu era um jogador quase perfeito e eu disse que não era, que tinha de treinar arremate de esquerda, estou treinando e no jogo tive a liberdade de chutar. Fui feliz e espero manter isso, sempre aprimorando nos treinamentos". Sobre jogar contra o Guarani, Renato lembrou que se profissionalizou no clube de Campinas, estreando com 16 anos. "Fazer 300 jogos contra o Guarani é uma coincidência grande. Sempre respeito o Guarani e sempre vou respeitar pelo carinho que tenho por aquele clube, mas estou do lado do Santos e vou lutar pela vitória, como sempre".

Agencia Estado,

05 de março de 2004 | 19h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.